15:09 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Sistema de defesa antiaérea de mísseis do Irã

    Rússia diz que Irã não tem armas atômicas e pede apoio do mundo para salvar acordo nuclear

    © AP Photo / Ministério da Defesa do Irã
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4280
    Nos siga no

    A Rússia espera que o Irã não tenha armas nucleares no presente e no futuro e os mecanismos necessários de controle e verificação já foram criados para isso, disse o vice-ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, neste sábado.

    "O Irã não possui armas nucleares, e esperamos que nunca tenha. Para isso, a comunidade internacional criou uma rede de segurança jurídica internacional confiável e os mecanismos de inspeção necessários", afirmou Ryabkov na Conferência Internacional sobre Não-Proliferação em Moscou.

    O oficial russo comentou também que as tentativas de impedir o Irã de desenvolver um programa nuclear pacífico são meros "sonhos".

    "Está claro que alguns gostariam que Teerã não tivesse nenhum programa nuclear, mas esses são sonhos obscuros, que estão em completa contradição com o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP)", prosseguiu.

    O TNP foi assinado em 1º de julho de 1968 e entrou em vigor em março de 1970. É o mais amplamente assinado no acordo de controle de armas nucleares, com 190 Estados como signatários. Até agora, vários países com armas nucleares, como Índia, Israel, Coreia do Norte, Paquistão se recusaram a assinar o pacto.

    Nesta semana, Teerã deu mais um passo em relação a seus compromissos de não desenvolver seu programa nuclear quando disse que começou a injetar gás urânio nas centrífugas de uma instalação subterrânea.

    Os Estados Unidos temem que o Irã queira reduzir o tempo de "fuga", que é o tempo necessário para acumular material nuclear suficiente para construir uma bomba, algo que Teerã repetidamente disse que não é a sua intenção.

    Reator atômico na usina nuclear de Bushehr, no sul do Irã (foto de arquivo)
    © AFP 2019 / ATTA KENARE
    Reator atômico na usina nuclear de Bushehr, no sul do Irã (foto de arquivo)

    'Morte do JCPOA'

    Presente ao encontro em Moscou, o vice-ministro iraniano de Relações Exteriores, Seyed Abbas Araghchi, destacou que Teerã reverte hoje suas obrigações sob o acordo nuclear de 2015 para preservar o acordo, em vez de destruí-lo, com o direito relevante estipulado no próprio documento.

    "O Irã [...] reduz os compromissos do JCPOA [Plano de Ação Integral Conjunto] com base no parágrafo 36 deste acordo. Na verdade, estamos exercendo nosso direito com o objetivo de salvar o negócio e proteger o negócio, de não matá-lo. É por isso que concedemos espaço suficiente, dois meses entre cada etapa, para que a diplomacia possa continuar", disse.

    O parágrafo 36 estipula que um signatário do acordo pode cessar seus compromissos "no todo ou em parte" se uma questão que considere constituir "não desempenho significativo" ainda não for resolvida como resultado dos procedimentos descritos no acordo.

    Teerã começou a reduzir gradualmente suas obrigações nucleares no primeiro aniversário da retirada unilateral dos EUA do acordo nuclear com o Irã de 2015, em 8 de maio. No início da semana, o Irã embarcou no quarto estágio de reduzir seus compromissos. Segundo a Organização de Energia Atômica do Irã, o país planeja enriquecer urânio para 4,5% na instalação nuclear de Fordow.

    O Irã enfatizou repetidamente sua disposição de reverter essas medidas se os signatários europeus do acordo garantirem os interesses do país, antes de tudo os econômicos, em meio às sanções reintegradas por Washington.

    Para Araghchi, o acordo nuclear pode entrar em colapso completo bem antes das eleições presidenciais de 2020 nos EUA, se nenhuma solução for encontrada em questão de meses.

    "As eleições nos EUA ou no Irã não têm lugar em nossos cálculos quando se trata de nossos interesses nacionais e segurança nacional. Na verdade, estamos exercitando nossas políticas, independentemente de quem será eleito nas próximas eleições presidenciais nos Estados Unidos", avaliou.

    Ele alertou ainda que o cenário mais negativo pode surgir antes mesmo da votação nos EUA.

    "Se você não conseguir encontrar uma solução para o JCPOA e uma crise atual em que estamos nos próximos meses, acho que em breve chegaremos ao fim do JCPOA, mesmo meses antes das eleições nos EUA", acrescentou.

    Mais:

    China, e não o Irã, seria a real razão dos EUA estarem no Iraque, diz especialista
    Irã tem considerável vantagem militar sobre EUA e aliados no Oriente Médio, revela relatório
    Pentágono declara que drone derrubado pelo Irã não era dos EUA
    Tags:
    Abbas Araghchi, Sergei Ryabkov, Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP), Estados Unidos, Rússia, enriquecimento de urânio, armas nucleares, diplomacia, Acordo Nuclear Iraniano, acordo nuclear, Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), Teerã, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar