14:24 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente turco Recep Tayyip Erdogan fala perante a Assembleia Geral da ONU

    Apesar de pressão por cessar-fogo, Erdogan diz que operação continua até curdos deixarem fronteira

    © REUTERS / Lucas Jackson
    Oriente Médio e África
    URL curta
    540
    Nos siga no

    O presidente da Turquia, Recep Tayyp Erdogan, disse que manterá a pressão sobre o território sírio e só interromperia a operação Fonte de Paz se os combatentes curdos abandonassem as armas e saíssem da região. 

    Em discurso para parlamentares de seu partido realizado nesta quarta-feira (16), ele disse que a Turquia não seria coagida a parar a ofensiva ou aceitar ofertas de mediação com os curdos. Erdogan prometeu continuar avançando até as tropas turcas alcançarem cerca de 30 a 35 quilômetros dentro da área da fronteira com a Síria. 

    "Nossa proposta é os terroristas abandonarem suas armas, deixarem seus equipamentos, destruírem as armadilhas que criaram e saírem da zona de segurança que designamos hoje", disse o presidente, segundo publicado pela agência AP. 

    O objetivo da operação é expulsar da região as Forças Democráticas Sírias (FDS) e as Unidades de Proteção Popular (YPG), que Ancara considera grupos terroristas, e criar uma "zona segura" na fronteira, para onde seriam enviados os refugiados sírios que hoje vivem em campos instalados em território turco. 

    "Caso isso seja feito, a Operação Fonte de Paz vai terminar", garantiu o chefe de Estado. A ofensiva teve início após os Estados Unidos anunciarem a retirada total de suas tropas da Síria. 

    Esforços diplomáticos se intensificam

    Enquanto os combates prosseguem, os esforços diplomáticos se intensificam. A Rússia vem trabalhando para evitar um conflito entra as tropas turcas e as forças do governo da Síria que se deslocaram para o nordeste do país. Os curdos pediram ajuda do Exército sírio para se defender do ataque de Ancara. 

    Soldados turcos se aproximam da cidade síria de Manbij, em 14 de outubro de 2019
    © AP Photo / Ugur Can
    Soldados turcos se aproximam da cidade síria de Manbij, em 14 de outubro de 2019

    A declaração de Erdogan ocorre um dia antes da visita a Turquia do vice-presidente americano, Mike Pence, que terá a missão de buscar um fim para os combates. Também fazem parte da comitiva americana o secretário de Estado, Mike Pompeo, e o conselheiro de segurança nacional, Robert O'Brien. 

    'Não procuramos por um mediador de paz'

    Paralelamente, o Kremlin disse que o mandatário turco aceitou um convite do presidente russo, Vladimir Putin, para ir a Moscou nos próximos dias debater a questão síria. 

    Erdogan disse a jornalistas que "não tinha" problemas em viajar para a Rússia. Mas ressaltou em seu discurso aos parlamentares que a Turquia não "procurava por um mediador de paz e nem precisava de um".

    Mais:

    Macron alerta Trump sobre o risco de ressurgimento do Daesh na Síria
    Rússia afirma que não permitirá que Turquia e Síria entrem em confronto
    Mídia: EUA fazem 'demonstração de força' a combatentes apoiados pela Turquia na Síria
    Exército da Síria entra pela 1ª vez em 5 anos na cidade síria de Raqqa, segundo fonte
    Tags:
    Recep Tayyip Erdogan, Vladimir Putin, fronteira, conflito, guerra, curdos, Rússia, EUA, Turquia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar