14:21 11 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidentes da Rússia, Vladimir Putin, da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, e do Irã, Hassan Rouhani, da esquerda para a direita, posam para fotos antes da reunião em Ancara

    Erdogan recebe Putin e Rouhani em cúpula para debater contenção de refugiados sírios

    © Sputnik / Michael Klimentyev
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5121
    Nos siga no

    A Turquia realiza uma reunião trilateral nesta segunda-feira, na qual o presidente Recep Tayyip Erdogan deve negociar com seus colegas russos e iranianos uma zona-tampão ao longo da fronteira para diminuir um possível afluxo de refugiados da província síria de Idlib.

    Localizada na parte noroeste da Síria, Idlib é um dos dois grandes pedaços do país ainda não controlados por Damasco. Alguns dos grupos rebeldes baseados lá são apoiados pela Turquia, mas também há uma forte presença de jihadistas, sobre os quais Ancara tem pouca influência.

    Em setembro passado, Erdogan conseguiu convencer o líder russo Vladimir Putin e o presidente iraniano Hassan Rouhani a pressionar Damasco e impedir qualquer tentativa de capturar a província para evitar baixas civis.

    A esperança era que a Turquia usasse seu poder sobre os rebeldes para garantir um cessar-fogo duradouro, mas isso nunca aconteceu. Os ataques continuaram em posições e aldeias do governo sírio sob seu controle, assim como as tentativas de bombardear a base aérea russa na vizinha Latakia com drones.

    No mês passado, uma grande ofensiva do Exército sírio apoiada por aviões de guerra russos resultou na captura de várias vilas e cidades na província de Idlib, incluindo o Khan Shaykhun, estrategicamente localizada. Temendo que Damasco continuasse e tomar a cidade de Idlib, a capital da província, à força, milhares de pessoas se mudaram para o norte, mais perto da fronteira com a Turquia.

    Crise de refugiados

    Ancara já abriga cerca de 3,6 milhões de refugiados da Síria e tem reclamado que carrega um fardo injusto, enquanto a comunidade internacional e particularmente as nações europeias não cumprem o que lhes é devido. O acordo já é impopular entre os turcos comuns, que veem os refugiados como uma das razões para uma desaceleração econômica. Uma nova onda de pessoas que atravessam a fronteira, algumas das quais podem ser islâmicas radicais disfarçadas de civis, deve atingir os índices de aprovação de Erdogan.

    Capacetes Brancos limpando destroços de uma casa que foi atingida por um ataque aéreo do governo da Síria, em Idlib, 10 de setembro de 2010
    © AP Photo / Uncredited / Source: Syrian Civil Defense White Helmets
    Capacetes Brancos limpando destroços de uma casa que foi atingida por um ataque aéreo do governo da Síria, em Idlib, 10 de setembro de 2010

    A solução preferida de Ancara para o problema é estabelecer uma "zona segura" de 30 km (18 milhas) ao longo da fronteira, onde os refugiados seriam assentados em Idlib. O governo sírio provavelmente se oporia a tal violação de sua soberania, mas, ao contrário de Ancara, Moscou e Teerã têm o poder de convencer Damasco a se dar bem.

    A proposta de "zona segura" de Idlib não é diferente do que Erdogan deseja obter dos EUA no nordeste da Síria, onde está localizada a segunda faixa de terra síria não controlada por Damasco. O território a leste do rio Eufrates é um território curdo, que eles mantêm com o apoio militar e diplomático de Washington. Ancara vê os curdos sírios como uma grande ameaça à segurança, uma extensão de sua insurgência curda doméstica.

    A Turquia quer uma zona-tampão de fronteira sem curdos no nordeste da Síria, onde potencialmente alguns dos refugiados que vivem atualmente na Turquia poderão ser reassentados. No entanto, o progresso no estabelecimento dessa zona segura foi lento na melhor das hipóteses.

    Além do desastre sírio, Erdogan e Putin também podem discutir laços militares mais estreitos entre seus países, avaliou Nikita Mendkovich, pesquisadora do Oriente Médio no Conselho de Assuntos Internacionais da Rússia, um think tank de Moscou.

    "O interesse em armas russas aumentou consideravelmente em toda a região desde os eventos de 2015-17 na Síria, que é um dos fatores da influência cada vez menor de Washington", comentou à RT. A Turquia, membro da OTAN, comprou avançados mísseis S-400 de longo alcance da Rússia, apesar das ameaças de sanções vindas de Washington.

    No final de agosto, o presidente turco visitou Moscou e Putin exibiu algumas das melhores tecnologias militares da Rússia para seu convidado. Depois que Washington expulsou Ancara de seu programa F-35 em retaliação ao acordo com o S-400, Moscou disse que estaria disposto a vender seus caças de ponta, possivelmente incluindo o Su-57 de primeira linha.

    Mais:

    Exército Sírio retoma controle de mais 10 aldeias em Idlib
    Defesa russa: EUA bombardearam zona de desescala de Idlib causando destruição e vítimas
    Cessar-fogo em Idlib continua mesmo após ataque dos EUA, diz chanceler russo
    Tags:
    guerra, diplomacia, Vladimir Putin, Hassan Rouhani, Recep Tayyip Erdogan, fronteira, crise síria, refugiados, curdos, Rússia, Síria, Irã, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar