05:31 19 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Premiê israelense Benjamin Netanyahu

    Netanyahu se afasta de filho que acusou ex-premiê de ter matado sobreviventes do Holocausto

    © AFP 2019 / Gali Tibbon
    Oriente Médio e África
    URL curta
    934
    Nos siga no

    O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu se distanciou dos tweets de seu filho Yair sobre o ex-premiê Yitzhak Rabin, a quem ele acusou de assassinar sobreviventes do Holocausto e causar a morte de 2.000 israelenses.

    Netanyahu afirmou em um comunicado que não concorda com as declarações de seu filho, escrevendo que as "posições de Yair são apenas dele".

    Yair havia afirmado que Rabin "assassinou sobreviventes do Holocausto em Altalena", referindo-se a um incidente de 1948 de brigas entre as recém-formadas Forças de Defesa de Israel (FDI), das quais Rabin era comandante, e o grupo de milícias judaicas Irgun. O incidente envolveu o tiroteio das FDI no navio Altalena, que carregava armas e recrutas da Europa, mas descarregou seus passageiros antes do início dos combates.

    Ele também disse que o ex-primeiro-ministro do Partido Trabalhista "causou a morte de 2.000 israelenses" quando trouxe o líder palestino Yasir Arafat "e dezenas de milhares de terroristas" de volta de Tunis, Tunísia, onde estavam baseados antes do início das negociações de paz antes da assinatura dos Acordos de Oslo, em 1993.

    Os tweets deletados desde então foram uma resposta aos comentários do democrata MK Stav Shaffir a um jornalista israelense de que Netanyahu não deve ser comparado a Rabin. "Rabin corajosamente levou o país a um acordo de paz. Bibi é suspeito de suborno, fraude e quebra de confiança", escreveu Shaffir.

    Primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, ao centro, reza com seus filhos Yair e Avner
    © AP Photo / Uriel Sinai
    Primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, ao centro, reza com seus filhos Yair e Avner

    O Partido Trabalhista-Gasher disse que estava preparando um processo de difamação contra o filho do primeiro-ministro Netanyahu por causa de suas declarações, e um protesto foi realizado na Praça Rabin, em Tel Aviv, no sábado.

    "A família Netanyahu nunca desceu da varanda", disse o presidente Amir Peretz à multidão, referindo-se à aparição de Netanyahu em protesto onde Rabin era chamado de "traidor" e "nazista" apenas algumas semanas antes de sua morte em 1995. Há muito tempo, Netanyahu é acusado de incitar a violência contra Rabin antes dele ser morto por um extremista de direita.

    O filho de Rabin twittou que as acusações de Yair sobre o pai ter matado sobreviventes do Holocausto eram uma reminiscência de uma imagem notória de Rabin vestido com um uniforme da SS que circulava antes de seu assassinato.

    "Não diga que você não viu. Talvez desta vez o procurador-geral faça algo contra aqueles que o incitam?", escreveu ele.

    Mais:

    Forças de Israel são 'único Exército no mundo' preparado para lutar contra Irã, segundo Netanyahu
    Sem Israel, o Oriente Médio cairia diante do 'extremismo islâmico', diz Netanyahu
    Netanyahu adverte Hezbollah, Líbano e líderes iranianos para 'observarem suas ações'
    Tags:
    Yasser Arafat, judeus, holocausto, nazismo, Forças de Defesa de Israel (FDI), Yitzhak Rabin, Benjamin Netanyahu, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar