04:59 20 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Petroleiro Grace 1

    Após falar com Londres, Zarif diz que Irã exportará petróleo 'sob quaisquer circunstâncias'

    © REUTERS / Stringer
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7231

    O Reino Unido prometeu "facilitar" a liberação do petroleiro iraniano capturado em Gibraltar, se Teerã garantir que seu destino não é a Síria, enquanto o Irã disse que continuará a exportar petróleo "sob quaisquer circunstâncias".

    Londres concordaria em libertar o petroleiro iraniano dos fuzileiros navais britânicos apreendidos em Gibraltar, se Teerã garantir que o navio não irá para a Síria, disse o chanceler britânico, Jeremy Hunt, em conversa por telefone com o ministro iraniano de Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif.

    "Acabei de falar com o chanceler iraniano Zarif. Chamada construtiva. Eu assegurei a ele que nossa preocupação era o destino e não a origem do petróleo do [petroleiro] Grace One e que o Reino Unido facilitaria a liberação se recebêssemos garantias de que não iria para a Síria, conforme processo em tribunais de Gibraltar", escreveu Hunt no Twitter.

    O Irã afirmou repetidamente que o navio nunca teve a intenção de navegar até a Síria, mas essas declarações aparentemente não foram convincentes o suficiente para as autoridades britânicas e de Gibraltar, que tomaram o navio-tanque na semana passada. A polícia de Gibraltar chegou a prender quatro oficiais do navio, incluindo seu capitão, precisamente por suspeita de violar as sanções da União Europeia (UE) contra a Síria.

    O incidente, ocorrido na semana passada, levou a uma disputa acirrada entre Londres e Teerã, que levou o Reino Unido a elevar os códigos de segurança para embarcações de bandeira britânica que navegam perto do território iraniano. Londres até acusou o Irã de tentativas de "impedir a passagem" de um de seus próprios petroleiros - algo que Teerã negou.

    O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, discursa durante a Conferência de Segurança de Teerã, em 8 de janeiro de 2018
    © AP Photo / Ebrahim Noroozi
    O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, discursa durante a Conferência de Segurança de Teerã, em 8 de janeiro de 2018

    Agora, Hunt disse que ele teve uma "ligação construtiva" com Zarif, que informou ao seu colega britânico que o Irã "quer resolver o problema e não está buscando escalar".

    Teerã, no entanto, pintou um quadro diferente. De acordo com a mídia iraniana, Zarif declarou a Hunt durante o telefonema que o Irã "continuaria a exportar petróleo sob quaisquer circunstâncias". Ele também afirmou que o petroleiro estava se dirigindo para um destino "legal" no Mediterrâneo Oriental e pediu mais uma vez a liberação imediata do petroleiro e sua tripulação.

    Os quatro membros da tripulação do petroleiro iraniano receberam a fiança da polícia "com condições" na sexta-feira, mas a embarcação ainda permanece detida.

    O petroleiro de bandeira do Panamá tinha uma tripulação de 28 pessoas composta principalmente por cidadãos indianos, mas também alguns paquistaneses e ucranianos, que foram entrevistados como testemunhas, disseram funcionários de Gibraltar.

    A justificativa do Reino Unido para a apreensão foi ridicularizada pelo Irã, que classificou a ação de Londres como "pirataria", enquanto dizia que Londres estava agindo em nome de Washington. O incidente de fato ocorre em meio a uma contenda entre os EUA e o Irã.

    Washington ameaçou sancionar qualquer país importador de petróleo iraniano, prometendo reduzir as exportações de petróleo da República Islâmica para "zero". Recentemente, também pediu a seus aliados que formassem uma coalizão de "liberdade de navegação", ao mesmo tempo que aparentemente visavam o Irã.

    Mais:

    Reino Unido teria enviado destróier ao golfo Pérsico em meio a tensões com Irã
    Câmara dos Deputados dos EUA aprova emenda que proíbe Trump de atacar Irã sem aprovação do Congresso
    Hezbollah diz que Irã é capaz de bombardear Israel se guerra com os EUA começar
    Tags:
    petroleiro, Síria, sanções, diplomacia, Jeremy Hunt, Mohammad Javad Zarif, Estados Unidos, Gibraltar, Irã, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar