09:05 19 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Militante do Hezbollah na Torre de Vigilância

    'A introdução de sanções não afetará a situação interna no Líbano e a formação do governo'

    © AP Photo / Bilal Hussein
    Oriente Médio e África
    URL curta
    480

    A Casa Branca não está feliz com a recente vitória do Hezbollah nas eleições parlamentares no Líbano, disse Adnan Mansur, ex-ministro das Relações Exteriores do Líbano, à Sputnik Árabe, comentando as novas sanções impostas pelos EUA contra o movimento.

    Segundo Mansur, a medida de Washington, apoiada pelos países do Golfo, não afetará a situação política no Líbano.

    Ao impor sanções contra os membros do movimento Hezbollah, Washington sinalizou a sua insatisfação com o papel da organização no governo do Líbano, enfatizou Mansur à Sputnik Árabe.

    "A imposição de sanções contra o Hezbollah não é novidade para nós", observou o ex-ministro. 

    "Anteriormente, a liderança do movimento já fora submetida a sanções, agora os EUA e seus aliados na região aumentaram a dosagem […] Eles estão indicando desse modo que continuam a lutar contra o movimento. De qualquer maneira, eles já o incluíram na lista de organizações terroristas, tanto a ala militar como a política", acrescentou.

    Mansur destacou que é óbvio que os membros do movimento não possuem contas no exterior e, portanto, não serão prejudicados pelas sanções.

    Em 16 de maio, o Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC, sigla em inglês) do Departamento do Tesouro dos EUA, em parceria com a Arábia Saudita, Bahrein, Kuwait, Omã, Qatar e Emirados Árabes Unidos, impôs sanções a 10 membros do Hezbollah, incluindo seus principais dirigentes, o secretário-geral Sayyed Hassan Nasrallah e o seu vice Naim Qassem, além de entidades afiliadas ao movimento.

    "Ao visar o Conselho Shura do Hezbollah, nossas nações rejeitaram coletivamente a falsa distinção entre a chamada 'ala política' e a conspiração terrorista global do Hezbollah", disse o secretário do Tesouro dos EUA, Steven T. Mnuchin, comentando a decisão.

    No início de maio, o partido xiita Hezbollah e seus aliados políticos venceram as eleições parlamentares libanesas, ganhando 67 dos 128 assentos.

    "A introdução de sanções não afetará a situação interna no Líbano e a formação do governo", opinou Mansur. 

    Segundo ele, as pessoas fizeram a sua escolha e o país seguirá o caminho escolhido, a despeito de qualquer pressão externa. O Hezbollah e seus aliados farão 'parte do governo libanês'.

    Antes das eleições, em fevereiro de 2018, os EUA impuseram sanções a seis dirigentes e sete empresas afiliadas ao movimento. Há muito tempo que o Hezbollah conta com o apoio do Irã. Ao visar o movimento, Washington aparentemente está procurando reduzir a influência de Teerã na região.

    Enquanto isso, as eleições parlamentares de 12 de maio no Iraque terminaram com a vitória de uma coalizão xiita, que alguns observadores consideram como mais uma vitória do Irã.

    Muqtada al-Sadr ficou em primeiro lugar na votação. Hadi al-Amiri, apoiado pelo Irã, e o primeiro-ministro Haidar al-Abadi ficaram em segundo e terceiro lugares, respectivamente. Embora al-Sadr deva formar o próximo governo, alguns observadores preveem que ele não se curvará perante Washington nem perante o Irã, buscando uma estratégia independente e restaurando os laços com os estados árabes da região

    A Casa Branca, para impedir o que chama de expansão do Irã no Oriente Médio, retirou-se unilateralmente do Plano de Ação Conjunto Gobal (JCPOA), mais conhecido como o acordo nuclear do Irã, e ordenou a subsequente retomada das sanções contra Teerã.

    A Rússia, a China e os países europeus, signatários do acordo, afirmaram que continuarão comprometidos com o acordo JCPOA, independentemente da retirada dos EUA.

    Mais:

    Hezbollah: Ataque de míssil da semana passada foi resposta à agressão de Israel na Síria
    Hezbollah nega explosão em instalação militar iraniana na Síria
    Hezbollah lança game sobre luta contra o Daesh na Síria
    Tags:
    xiitas, eleições, sanções, Hezbollah, Muqtada al-Sadr, Steven Mnuchin, Naim Qassem, Sayyed Hassan Nasrallah, golfo Pérsico, Washington, EUA, Líbano
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik