19:13 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Bombas de fósforo (foto de arquivo)

    Síria não pode usar armas químicas porque não as possui, diz enviado sírio à ONU

    © Sputnik / Pavel Lisitsyn
    Oriente Médio e África
    URL curta
    390

    O enviado sírio à ONU, Hussam Edin Aala, comentou as acusações feitas a Damasco quanto ao uso de armas químicas falando perante os participantes da Conferência sobre Desarmamento que está decorrendo em Genebra.

    O enviado da Síria à ONU, Hussam Edin Aala, condenou o uso de armas químicas em qualquer parte do mundo e negou as "acusações falsas" feitas por alguns países contra Damasco.

    "A Síria não pode estar utilizando armas químicas porque simplesmente não as possui", disse o enviado, citado pela Reuters.

    O discurso de Aala veio em resposta às acusações proferidas pela porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Heather Nauert, de que o governo sírio teria recorrido às armas químicas perto da cidade de Saraqib, na província de Idlib.

    Segundo Nauert, a Rússia estaria ajudando o governo sírio a fugir à responsabilidade pelo seu suposto uso contínuo de armas químicas.

    Mais cedo neste mês, a Comissão Internacional Independente de Inquérito sobre a Síria da ONU iniciou uma investigação às informações sobre o suposto uso de cloro nas províncias sírias de Idlib e Ghouta Oriental.

    Comentando a investigação da comissão da ONU, o Ministério da Defesa russo, por sua vez, negou todas as acusações, afirmando que estas são baseadas em rumores e informação de militantes, sem haver provas reais.

    Estas não são as primeiras acusações deste tipo contra o governo sírio. Em 26 de outubro, o Mecanismo de Investigação Conjunta (JIM) da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) publicou um relatório, afirmando que o governo da Síria foi responsável pelo ataque de 4 de abril contra a cidade de Khan Shaykhun, no qual teria sido usado gás sarin.

    Damasco, por sua parte, negou todas as acusações, argumentando que os especialistas da ONU não fizeram nenhumas investigações diretamente no lugar do incidente.

    Mais:

    Militantes bombardeiam exército sírio em Ghouta Oriental em meio à pausa humanitária
    'Situação militar em Ghouta Oriental continua pouco prognosticável'
    Militantes lançam nova ofensiva contra forças sírias em Ghouta Oriental
    Tags:
    investigação, acusações, armas químicas, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), ONU, Khan Shaykhun, Ghouta Oriental, Idlib, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik