03:42 19 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Armas químicas

    França diz que não existe evidência confiável do uso de cloro pela Síria

    © Sputnik / Ilia Pitalev
    Oriente Médio e África
    URL curta
    330

    A França não tem evidências confiáveis de que o agente químico cloro foi usado pelas forças do governo sírio contra civis e, portanto, ainda não pode falar de uma "linha vermelha" que possa ter sido atravessada, disse o ministro francês da Defesa.

    "Temos algumas indicações de possível uso de cloro [na Síria], mas não temos confirmação absoluta", disse a ministra Florença Parly à rádio France Inter na sexta-feira. "Então nós, ao lado dos outros, estamos trabalhando na tentativa de confirmar isso, pois nós claramente temos que resolver os fatos". Parly não especificou quem mais estava envolvido no esforço de confirmação.

    Atualmente, Paris não está pronta para uma resposta áspera aludida pelo presidente francês Emmanuel Macron em maio de 2017, de acordo com a chefe de defesa do país. Naquela época, Macron disse que o uso de armas químicas na Síria é "uma linha vermelha" para a França e resultaria em "represálias imediatas".

    A França não está em posição de dizer se essa "linha vermelha foi atravessada neste momento, devido à falta de certeza sobre o que aconteceu na Síria", admitiu Parly.

    Na quarta-feira, o ministro francês de Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, pareceu mais inclinado a censurar o governo sírio, dizendo que "todas as indicações mostram hoje que o cloro é usado agora pelo regime na Síria". Ele também pediu cautela, no entanto, admitindo que a evidência "não estava completamente documentada".

    As alegações sobre um possível ataque de gás de cloro na Síria surgiram em janeiro deste ano. Eles foram feitos por fontes bastante controversas e pró-militantes — o grupo de defesa civil síria, mais conhecido como Capacete Branco e o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (SOHR), com sede no Reino Unido. Essas alegações ainda não foram verificadas independentemente até agora.

    Os EUA sempre acusaram o governo sírio ou a Rússia por encobrirem o uso de armas químicas, mas não forneceram provas credíveis em todas as ocasiões.

    Na semana passada, o Pentágono reconheceu que não é capaz de confirmar se os agentes nervosos, como o sarin, eram usados por Damasco. "Nós não temos provas disso", disse o secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, aos jornalistas no sábado.

    Ele disse que a única informação que os EUA conseguiram obter até agora sobre o alegado uso de sarin veio de "outros grupos no terreno, ONGs, lutadores no terreno" e simplesmente "pessoas que afirmam que foram usadas".

    As armas químicas foram usadas pelos EUA para justificar a ação militar direta contra a Síria. Em 2017, o presidente Donald Trump ordenou um ataque de mísseis de cruzeiro contra a base aérea síria em Shayrat, após um suposto ataque de armas químicas na cidade síria de Khan Shaykhun, sede de rebeldes, onde até 100 pessoas foram mortas.

    A ONU e a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW) apresentaram vários relatórios sobre suas descobertas sobre o uso de armas químicas na Síria, incluindo o ataque de abril. A Rússia criticou repetidamente os relatórios, dizendo que eles estavam cheios de discrepâncias, fatos escolhidos a dedo e baseados em declarações de fontes cuja autenticidade era questionável.

    Mais:

    Enviado russo: Síria não tem mais capacidade de construir armas químicas
    Rússia: EUA não quer investigar o uso de armas químicas na Síria
    Rússia diz que acusações dos EUA contra Síria sobre uso de armas químicas são infundadas
    Tags:
    cloro, armas químicas, direitos humanos, OPCW, Observatório Sírio dos Direitos Humanos, Florença Parly, Emmanuel Macron, Jean-Yves Le Drian, Shayrat, Khan Shaykhun, Síria, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik