18:46 03 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2130
    Nos siga no

    A Rússia afirmou que já cumpriu praticamente seus objetivos principais na operação síria. Por sua vez, em entrevista ao serviço russo Rádio Sputnik, o deputado russo Franz Klintsevich frisou que os militares russos não abandonarão a Síria sem levar o assunto até o fim.

    De acordo com o chefe do comitê parlamentar da Defesa russo, Vladimir Shamanov, a Rússia praticamente já cumpriu todos seus objetivos na operação militar na Síria.

    Além do mais, nesta segunda-feira (30), o jornal russo Kommersant, citando fontes militares e diplomáticas, informou que a Rússia pode diminuir sua presença militar no país árabe. Contudo, o Ministério da Defesa da Rússia desmentiu que tenha planos de reduzir o contingente militar russo na Síria.

    O vice-chefe da Comissão de Defesa e Segurança do Conselho da Federação da Rússia, Franz Klintsevich, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, opinou que as Forças Armadas da Rússia não abandonarão a Síria sem cumprir completamente todas suas tarefas.

    "Mesmo que abandemos a Síria, vamos fazê-lo com a consciência limpa. É claro que ainda nem todas as tarefas foram cumpridas, contudo, mesmo que haja uma pequena redução, isto não significa que não levaremos o assunto até o fim. Vamos levar a operação até o fim, deixaremos lá a quantidade necessária de forças e meios. Por exemplo, deixaremos lá duas bases. E, claro, o mais importante que as Forças Armadas russas fizeram foi proporcionarem às Forças Armadas da Síria oportunidades, as terem preparado física e moralmente, o que faz com que agora elas sejam capazes de cumprir de forma independente suas missões", ressaltou Klintsevich.

    Mais:

    Rússia elimina 650 instalações terroristas na Síria em uma semana
    Especialistas russos destroem em 24 horas quase 1.000 bombas na Síria
    Qual é o valor do prejuízo do terrorismo à economia síria?
    Tags:
    operação, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar