15:26 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Carros blindados e civis na parte oriental de Mossul

    Iraque nega existência de provas sobre ataque químico do Daesh em Mossul

    © AFP 2018 / Dimitar Dilkoff
    Oriente Médio e África
    URL curta
    119

    O Iraque não tem nenhuma evidência de que o grupo terrorista Daesh (auto-intitulado Estado Islâmico) tenha usado armas químicas na cidade de Mossul, segundo afirmou nesta sexta-feira (10) o embaixador do país na ONU, Ali Al Hakim.

    "Eu conversei com minha capital (Bagdá) hoje ao meio-dia; realmente não há provas de que o Daesh tenha usado armas químicas", disse o diplomata iraquiano, em entrevista coletiva.

    O governo do Iraque está em contato com a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), que ofereceu sua ajuda ao país, acrescentou o diplomata.

    Na sexta-feira passada (3), diversos meios de comunicação relataram supostos ataques químicos na batalha entre as tropas iraquianas e os combatentes do Daesh no leste de Mossul.

    Depois de tais relatos, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha e a Organização Mundial da Saúde disse que 12 pacientes foram hospitalizados com sintomas correspondentes à exposição a um agente tóxico, e desde então o número de pessoas afetadas subiu para 15.

    Mais:

    EUA 'não prestam apoio aéreo' a milícias que combatem o Daesh em Mossul
    Avante: Tropas do Iraque retomam sede governamental em Mossul
    OMS ativa plano de emergência em resposta a ataques de armas químicas em Mossul
    Daesh pôs armadilha em vala comum perto de Mossul
    Tags:
    armas químicas, ataque químico, Estado Islâmico, Daesh, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), OMS, ONU, Cruz Vermelha, Iraque, Mossul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik