05:59 22 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    266
    Nos siga no

    Há pouco mais de um ano, os Estados Unidos formalizaram o apoio à entrada do Brasil na OCDE. Depois da mudança de governo nos EUA e com tantos problemas desencadeados pela pandemia, o país está no rumo certo para entrar nesse clube de países ricos?

    Após a derrota de Donald Trump na disputa pela reeleição como presidente dos Estados Unidos, apontado pelo governo brasileiro como principal fiador da ideia, o tão falado ingresso do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) saiu dos holofotes, ainda mais em meio à pandemia da COVID-19, que impactou e segue impactando as economias mundo afora. 

    ​Recentemente, ao participar de um evento do Centro de Estudos Estratégicos Internacionais (CSIS, na sigla em inglês), o secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Roberto Fendt, destacou que o Brasil já aderiu a 99 dos 245 instrumentos da OCDE e que o país vinha se concentrando na agenda de reformas econômicas quando foi atingido pelo surto do novo coronavírus, reformas que estavam alinhadas ao processo de adesão à organização. 

    ​"Só nesses dois anos, nós atendemos a 33 novos instrumentos. A maior parte deles (não vou descrever um por um), em essência, são instrumentos que lidam todos com boas práticas regulatórias, facilitação de comércio, diversos outros instrumentos", afirma Fendt em entrevista à Sputnik Brasil.

    Segundo o secretário, apesar da saída de Trump da Casa Branca, o tema da entrada do Brasil nessa organização "não conflita com a orientação de quem quer que esteja na presidência dos Estados Unidos". A questão fundamental, ele frisa, é atender aos instrumentos estipulados.

    "Nós atendemos aos instrumentos e notificamos a OCDE, há um exame dos instrumentos que nós atendemos e vamos prosseguindo. Quando nós atendermos a todos os instrumentos, nós já estaremos aptos a ingressar na organização."

    A agenda ambiental, responsável por inúmeras polêmicas envolvendo o governo brasileiro nos últimos anos e preocupação pessoal do novo presidente norte-americano, Joe Biden, vem sendo apontada como um dos principais obstáculos à inserção internacional do Brasil na atualidade. Questionado se isso pode atrapalhar também o possível ingresso do país na OCDE, Fendt defende que, antes de mais nada, a preocupação com o meio ambiente no Brasil é uma preocupação dos brasileiros e muitos dos que criticam a devastação ambiental durante a atual gestão têm outros interesses, próprios, por trás dessas críticas. 

    ​"Em alguns casos, pessoas bem intencionadas estão preocupadas com o possível impacto sobre o meio ambiente brasileiro com respeito aos seus próprios países. Mas, em outros casos, na verdade, são apenas disfarces de interesses protecionistas", opina, citando as dificuldades de se colocar em prática o acordo entre Mercosul e União Europeia

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    OCDE vê recuperação da economia global puxada pela China após crise gerada pela COVID-19
    Caso de Flávio Bolsonaro prejudica aspirações do Brasil na OCDE?
    Entrada do Brasil na OCDE traz investimento para geração de crédito de carbono, diz economista
    Tags:
    União Europeia, Mercosul, OCDE, Joe Biden, Donald Trump, Roberto Fendt, Estados Unidos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar