05:15 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Por
    18482
    Nos siga no

    Rússia se posiciona de forma cada vez mais conservadora frente aos EUA, que "criticam ativamente as regras do jogo internacional", diz especialista. Nesse embate, China e BRICS poderão ser os fiéis da balança.

    Nesta terça-feira (3), o professor do Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou (MGIMO, na sigla em russo), Igor Istomin, desafiou o senso comum ao apresentar o resultado de sua mais recente pesquisa, apresentada no Clube Valdai de Discussões Internacionais, em Moscou.

    Segundo ele, a conservadora Rússia deverá medir forças com um EUA cada vez mais revisionista na arena internacional.

    Países revisionistas são aqueles que buscam modificar as normas internacionais, enquanto os conservadores querem manter a ordem internacional como está. 

    Os EUA teriam o interesse de modificar algumas regras básicas, como a soberania, não intervenção nos assuntos internos dos países e a primazia do Conselho de Segurança da ONU.

    "Os EUA criticam ativamente as regras do jogo, que eles próprios ajudaram a criar", disse Istomin.

    Segundo ele, o revisionismo norte-americano é normalmente associado ao ex-presidente do país, Donald Trump, que retirou Washington de organismos internacionais como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e do acordo nuclear iraniano.

    "Mas os EUA vêm tentando mudar as regras do jogo desde muito antes de Trump", acredita Istomin. "Basta lembrarmos das intervenções militares norte-americanas sem o crivo do Conselho de Segurança da ONU."

    Comboio militar dos EUA chega perto de Dahuk, Iraque, 21 de outubro de 2019.
    © AP Photo
    Comboio militar dos EUA chegando ao Iraque

    Para ele, "moldar as normas internacionais para que elas atendam ao seu próprio interesse é um objetivo de longo prazo da política norte-americana". Por isso, essa "tendência deve continuar durante a administração Biden".

    A Rússia estaria do lado oposto: tentando manter o status quo e as normas internacionais inalteradas.

    "As abordagens da Rússia e dos EUA são radicalmente diferentes e essa diferença só aumenta", disse o professor.

    "A retórica da Rússia manifesta o desejo de 'retorno'", explicou Istomin. "Para ela, a ordem internacional e o sistema da ONU se enfraqueceram nos últimos anos e é necessário 'dar um passo atrás' para melhorar essa situação."

    Soldados russos durante parada militar, na Praça Vermelha, no dia 7 de novembro. Vladimir Putin garantiu que a Rússia seguirá atenta à modernização de suas forças armadas
    © Sputnik / Alexander Zemlianichenko
    Soldados russos durante parada militar, na Praça Vermelha, no dia 7 de novembro. Vladimir Putin garantiu que a Rússia seguirá atenta à modernização de suas forças armadas

    Segundo ele, "no mundo atual a Rússia é o país que defende essa abordagem conservadora de maneira mais clara".

    Influência da China

    Nessa luta, a fiel da balança será a China. Apesar de suas posições internacionais conservadoras, Pequim poderá adotar uma postura cada vez mais revisionista.

    "Se antigamente a questão central na competição entre grandes potências era a posse de territórios [...] hoje é a luta pelos institutos internacionais", disse Istomin. "Quem consegue convencer os demais a seguirem as regras que lhe são convenientes obtém a vantagem."

    Como potência emergente, a China "poderá apresentar tendência de modificar as normas internacionais" para que elas acomodem a sua ascensão, acredita Istomin.

    Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, participa de coletiva de imprensa em Pequim, China, 21 de janeiro de 2021
    © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins
    Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, participa de coletiva de imprensa em Pequim, China, 21 de janeiro de 2021

    No entanto, o professor do Instituto de Estudos Internacionais e de Desenvolvimento de Genebra, Xiang Lanxin, não acredita que a China esteja em uma posição indefinida entre a Rússia conservadora e os EUA revisionistas. 

    "Se a China estivesse realmente sentada entre dois opostos [...] ela não teria hesitado em tirar vantagens dessa posição. Mas esse não é o caso", acredita Xiang.

    Segundo ele, a China tem uma visão própria da ordem internacional. 

    Funcionária de empresa de logística acompanha fluxo de mercadorias, em Pequim, China, 11 de novembro de 2020
    Mark Schiefelbein
    Funcionária de empresa de logística acompanha fluxo de mercadorias, em Pequim, China, 11 de novembro de 2020

    "A concepção chinesa de 'ordem' está sempre ligada à ideia de como lidar com inundações, como lidar com o poder da água", explicou Xiang.

    Ele explica que a maneira ocidental de lidar com inundações é normalmente "construindo barricadas". 

    "Mas a forma mais eficiente de fazer isso, que a China vem aplicando por toda a sua história, é a construção de canais para permitir que a água escoe, seguindo a sua tendência natural", disse Xiang.

    Para ele, essa abordagem chinesa não seria nem conservadora nem revisionista, mas muito eficaz para reduzir as tensões entre as grandes potências internacionais.

    BRICS conservador 

    Para promover a sua agenda conservadora, Moscou constrói alianças com países com objetivos similares, a exemplo do BRICS, grupo constituído por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

    "Se olharmos para as novas regras do jogo que o BRICS propõe veremos que [o grupo] se coloca em uma posição tradicionalista, como um instrumento que vai contra certas mudanças", disse Istomin à Sputnik Brasil.

    O BRICS defende agendas de reformas de bancos internacionais, como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI), mas mantendo a sua adesão a princípios básicos como a soberania e não intervenção nos assuntos domésticos dos países.

    Chanceler russo Sergei Lavrov participa de reunião com ministros das Relações Exteriores do BRICS, 28 de abril de 2020
    © Sputnik / Imprensa da chancelaria russa
    Chanceler russo Sergei Lavrov participa de reunião com ministros das Relações Exteriores do BRICS, 28 de abril de 2020

    No entanto, Istomin nota o "forte potencial revisionista" do BRICS, uma vez que seus membros são potências emergentes.

    "Eu acho que é possível trabalhar uma nova abordagem no BRICS, que com certeza age como um suplemento para o sistema internacional", concluiu o especialista. 

    Nesta terça-feira (3), o Clube Valdai de Discussões Internacionais se reuniu em Moscou para debater os resultados da pesquisa "De quem são as regras? Revisionistas e Conservadores em Política Internacional" coordenada pelo professor do Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou (MGIMO, na sigla em russo), Igor Istomin.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Guerra Fria 2.0 entre EUA e China será uma batalha tecnológica, dizem especialistas
    Cinco anos da operação russa na Síria: ganhamos a guerra, mas ainda não a paz, diz especialista
    Países querem 'caos controlado' no Oriente Médio para atingir fins geopolíticos, diz diplomata russo
    Tags:
    conservadorismo, Clube Valdai, relações internacionais, EUA, Rússia, China, BRICS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar