04:06 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Por
    18436
    Nos siga no

    Discurso do presidente Jair Bolsonaro na Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), realizada nesta terça-feira (22), é "negação da realidade" e "alinhamento servil" aos EUA, disse sociólogo à Sputnik Brasil.

    Como manda a tradição, o chefe de Estado brasileiro abriu a conferência, que neste ano ocorreu remotamente devido à pandemia da COVID-19. Em sua fala, Bolsonaro disse que o Brasil é "vítima de de uma das mais brutais campanhas de desinformação sobre a Amazônia e o Pantanal". 

    Segundo o presidente, a região é "sabidamente riquíssima", o que "explica o apoio de instituições internacionais a essa campanha escorada em interesses escusos que se unem a associações brasileiras, aproveitadoras e impatrióticas, com o objetivo de prejudicar o governo e o próprio Brasil". Dados recentes apontam níveis recordes de queimadas e desmatamento na Amazônia e no Pantanal. 

    Para Marcelo Seráfico, professor do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), o discurso de Bolsonaro na ONU "reitera as duas linhas de argumento fundantes de sua prática política". 

    "De um lado, a fuga do trato objetivo dos problemas vividos pelo país, que vão da devastação ambiental, passam pela crise econômica e chegam à crise sanitária. De outro lado, essa simples e direta negação da realidade é acompanhada da reiteração da defesa de uma religiosidade cínica, de uma política econômica que só beneficia grandes empresas, o setor financeiro e o agronegócio, e de um alinhamento servil do país à política externa do governo norte-americano", explicou o sociólogo. 

    Escalada do conflito com Venezuela 

    Em sua fala, Bolsonaro disse ainda que seu governo, com medidas econômicas, tinha evitado um "mal maior" durante a pandemia do coronavírus. Ele lamentou as mortes provocadas pela doença e criticou o isolamento social, afirmando que a imprensa "politizou o vírus" e a campanha para a população ficar em casa quase trouxe "caos social". 

    Ao final do discurso, o presidente fez "apelo a toda a comunidade internacional pela liberdade religiosa e pelo combate à cristofobia". 

    Para o cientista político Danillo Bragança, pesquisador da Universidade Federal Fluminense (UFF), um ponto marcante do discurso foi a referência à Venezuela, o que indica que o conflito com o país vizinho "está escalando novamente". 

    "Além disso, a presença no Brasil do secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, caiu muito mal na região. Esses fatores apontam para um reaquecimento dos discursos contra a Venezuela", disse Bragança, que é especialista em segurança e assuntos militares, à Sputnik Brasil. 

    Bolsonaro acusou o governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, pelo derramamento de óleo na costa brasileira no ano passado. 

    'Alinhamento grosseiro e primário' aos EUA

    Segundo Marcial Suarez, professor do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal Fluminense (UFF), o elogio do presidente ao plano elaborado pelos Estados Unidos para o conflito entre Israel Palestina, assim como à mediação norte-americana de acordos entre Israel e alguns países árabes, demonstra fragilidade da política externa brasileira. 

    "O alinhamento brasileiro à política externa estadunidense é grosseira e primária, ao ponto de Bolsonaro elogiar um acordo de paz sobre a questão palestina, e pasmem novamente, que não contou com a participação da comunidade palestina, mas com países alinhados aos Estados Unidos, como Emirados Árabes, Israel e Bahrein", afirmou o especialista à Sputnik Brasil. 

    'Mundo fantasioso e persecutório'

    Suarez disse ainda que, no plano interno, "ficamos reféns de afirmações no mínimo difíceis de justificar".

    Citando a hidroxicloroquina, Bolsonaro disse na ONU que "não podemos depender apenas de umas poucas nações para produção de insumos e meios essenciais para nossa sobrevivência". Além disso, afirmou que o "insumo da produção" do medicamento tinha sofrido um "reajuste de 500% no início da pandemia". 

    Sobre os incêndios na Amazônia, argumentou que a "floresta é úmida e não permite propagação do fogo em seu interior". Segundo Bolsonaro, as queimadas são iniciadas no "entorno leste da floresta, onde o caboclo e o índio queimam seus roçados em busca de sua sobrevivência, em áreas já desmatadas". 

    "Desde a hidroxicloroquina até a afirmação de que os índios e caboclos são os responsáveis pelas queimadas em áreas já desflorestadas. A tônica dos discursos do presidente, infelizmente, parece se manter inalterada, variando entre um impressão distorcida dos fatos e uma defesa naturalmente errada de um mundo fantasioso e persecutório. Nessa caminhada tortuosa, o Brasil deixa de ser um ator protagonista no cenário internacional para ocupar uma posição de vassalagem em relação à agenda estadunidense", opinou Marcial Suarez.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Efetivação de Pazuello mostra 'desinteresse' de Bolsonaro na ciência, diz analista
    Bolsonaro encerra agenda pública após ser perguntado pela imprensa
    'Perseguem o Brasil': Bolsonaro elogiará sua gestão ambiental e da COVID-19 na ONU, diz jornal
    Tags:
    Venezuela, EUA, incêndio, queimadas, novo coronavírus, pandemia, COVID-19, Pantanal, Amazônia, Nações Unidas, Assembleia Geral, ONU, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar