05:45 25 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    3136
    Nos siga no

    A presença do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em Boa Vista e suas críticas à Venezuela podem ser entendidas como um esforço de campanha de Donald Trump, avalia especialista em relações internacionais.

    Pompeo esteve em Boa Vista na sexta-feira (18) e teve agenda com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e visitou a Operação Acolhida, iniciativa brasileira de recepcionamento de venezuelanos que deixam o país.

    Em tour pela América do Sul, Pompeo afirmou que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, é um "traficante de drogas" e que Washington deseja que a Venezuela "tenha uma democracia". 

    Quando a viagem internacional do chefe da diplomacia dos Estados Unidos foi anunciada, contudo, as primeiras informações davam conta apenas de visitas a Suriname e Guiana, países que descobriram consideráveis reservas de petróleo nos últimos anos. O itinerário foi ajustado posteriormente para acomodar a presença no Brasil e também na Colômbia, outro país que faz fronteira com a Venezuela.

    Nesta segunda-feira (21), os Estados Unidos anunciaram sanções contra Maduro

    Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, durante encontro com o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, em Boa Vista (RR), 18 de setembro de 2020
    © AP Photo / Bruno Mancinelle
    Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, durante encontro com o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, em Boa Vista (RR), 18 de setembro de 2020

    Para o professor de relações internacionais da Faculdade de Campinas (Facamp) Pedro Costa Júnior, Pompeo fez duras críticas a Maduro em busca do "voto crucial" dos latinos da Flórida, que é um dos chamados swing states da eleição — regiões dos Estados Unidos sem preferência partidária definida e que são importantes para a definição do próximo presidente.

    "Dessa maneira, essa visita do secretário de Estado é um recado para essa comunidade [latina] que está sempre muito atenta, cujos imigrantes são, em sua esmagadora maioria, cubanos, frutos da Revolução Cubana, desde a Guerra Fria e, mais recentemente, nos últimos anos, venezuelanos", diz Júnior à Sputnik Brasil.

    Com 29 delegados no Colégio Eleitoral, a Flórida é um ponto central na corrida presidencial dos Estados Unidos e as últimas pesquisas apontam um cenário apertado

    A presença de Pompeo no Brasil rendeu críticas do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que classificou o episódio como uma "afronta" das tradições da diplomacia brasileira. O chanceler brasileiro reagiu e divulgou nota defendendo a decisão do Itamaraty.

    Assim como os Estados Unidos, o Brasil reconhece o autodeclarado presidente Juan Guaidó como líder legítimo da Venezuela. Guaidó já foi, inclusive, recebido como chefe de Estado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em Brasília.

    O presidente Jair Bolsonaro se reúne com o autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, para entrevista com os jornalistas após reunião no Palácio do Planalto, em Brasília.
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    O presidente Jair Bolsonaro se reúne com o autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, para entrevista com os jornalistas após reunião no Palácio do Planalto, em Brasília.

    O professor da FACAMP acredita que Bolsonaro faz mais do que um "alinhamento automático" com os Estados Unidos e coloca o Brasil em posição de "verdadeira vassalagem" ao governo de Trump. "É uma opção deliberada jamais vista na história das relações exteriores", avalia.

    "O Brasil volta a falar fino, parafraseando Francisco Buarque de Hollanda, volta a falar fino com os Estados Unidos e a falar grosso com seus vizinhos", diz Júnior. 

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    EUA e Colômbia estão preparando nova agressão militar contra Venezuela, afirma diplomata
    'Inimigos da pátria' achavam que Venezuela não teria força para enfrentar pandemia, diz Maduro
    Pompeo está realizando 'turnê de guerra' para ganhar votos à custa da Venezuela, diz Maduro
    Objetivo de relatório da ONU sobre Venezuela é sabotar diálogo nacional e eleições, afirma chanceler
    Pompeo: Cuba, Rússia e Irã exercem 'influência maligna' sobre Venezuela
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Ernesto Araújo, Juan Guaidó, Mike Pompeo, Estados Unidos, Brasil, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar