05:28 31 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    9204
    Nos siga no

    Pesquisa da Universidade Quinnipiac mostra que o candidato democrata Joe Biden tem uma vantagem de dez percentuais frente ao candidato republicano Donald Trump.

    Biden tem 52% da preferência do eleitorado, enquanto Trump tem 42%. O levantamento foi realizado com prováveis eleitores, e não com eleitores registrados como em outras pesquisas.

    Quando perguntado aos entrevistados qual candidato administrará melhor uma série de assuntos, Biden é o preferido dos eleitores em quatro de cinco cenários. Ele é avaliado como um melhor líder para enfrentar os seguintes tópicos: desigualdade racial, resposta ao coronavírus, sistema de saúde e cuidar de uma crise. Na economia, há um empate e Trump e Biden tiveram 48% dos entrevistados afirmando que cada um seria o melhor líder neste segmento.

    Três quartos dos prováveis eleitores afirmaram que o racismo é um problema "grande" do país. 

    Todavia, não há apenas boas notícias para o candidato democrata. Na Flórida, um dos chamados "swing-states" (estados sem tendência política definida, importantes na corrida presidencial), a vantagem de Biden frente a Trump encolheu para 48% contra 45%. Em levantamento anterior, a vantagem de Biden era de 51% contra 38%. Trump é agora o candidato preferido da população hispânica da Flórida. 

    Faltam menos de dois meses para a eleição presidencial dos Estados Unidos e cerca de um mês para o primeiro debate presidencial. 

    Mais:

    Pequim repudia restrições impostas a diplomatas nos EUA
    Coreia do Norte trabalha para elevar capacidades de seus mísseis, segundo oficial dos EUA
    EUA vão se retirar da OMS em julho de 2021, diz Departamento de Estado
    Facebook bloqueará anúncios políticos na semana anterior às eleições dos EUA
    Exército dos EUA opta por novo míssil de alcance intermediário para diversificar arsenal
    Tags:
    eleição, pesquisa, Joe Biden, Donald Trump, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar