09:21 02 Março 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    176
    Nos siga no

    A alta comissária de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, na última segunda-feira (14), criticou o Brasil pela situação dos direitos humanos no país, destacando um aumento dos ataques a defensores dos direitos humanos e jornalistas.

    O Itamaraty, por sua vez, afirmou que a ONU não é "objetiva" em sua crítica e lamentou que o escritório "continue sendo enganado", sem explicar qual seria o engano da organização.

    O professor de Relações Internacionais da UERJ, Paulo Velasco, em entrevista à Sputnik Brasil, observou que o país sempre recebeu críticas de órgãos internacionais de direitos humanos em questões ligados ao sistema prisional, tratamento de comunidades indígenas, violência policial, violência contra a mulher, etc.

    O especialista destacou que desde a redemocratização o Brasil "passou a assumir uma postura muito mais cooperativa com o regime internacional de direitos humanos, dialogando muito mais ativamente com os órgãos da ONU", mas o governo Bolsonaro estaria adotando uma postura mais próxima ao período do regime militar em sua relação com órgãos de direitos humanos.

    "O que a gente vê no âmbito do governo Bolsonaro é uma resistência, um Brasil muito mais defensivo na questão [dos direitos humanos], não aceitando quaisquer críticas ou recomendações que venham de fora, lembrando muito a posição que o Brasil assumia durante o regime militar, uma postura defensiva, de deslegitimação dos fóruns internacionais de direitos humanos", afirmou Velasco.

    O especialista observou que o Brasil é membro do conselho de direitos humanos, mas tem mostrado uma "postura controversa", resistindo pautas ligadas a gênero, direito da mulher, por exemplo, criticando diretamente a comissária de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet.

    Participação na Assembleia Geral

    Ao comentar sobre a participação do Brasil na reunião da Assembleia Geral este ano, Paulo Velasco disse que a tendência é que o presidente Jair Bolsonaro tenha postura defensiva diante de uma elevação das críticas ao país.

    "Nós temos de fato o Brasil como um dos países mais violentos no que tange a atuação de ativistas, jornalistas, e tem havido uma deterioração desta situação nos últimos tempos. Então é natural o Brasil ser cobrado e a tendência é que vejamos mais uma vez o presidente responder de maneira muito ríspida", afirmou.

    De acordo com ele, o tom do discurso de Bolsonaro em relação às críticas ao Brasil deve ser pautado em bases soberanistas, no sentido de que "ninguém tem nada a ver com o que acontece aqui dentro", de que são "informações mentirosas", embora os dados sustentem essas críticas ao Brasil.

    "Tem havido de fato uma limitação da liberdade de imprensa, a violência contra os profissionais do jornalismo tem sido recorrente no Brasil, bem como a violência contra ativistas e membros de organizações não-governamentais de áreas variadas", completou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Bolsonaro veta perdão de dívidas de igrejas, mas diz que se fosse deputado derrubaria próprio veto
    Veto do Brasil à educação sexual em projeto da ONU reflete posição de Bolsonaro, diz psicólogo
    Verba para pessoal de prevenção de incêndios florestais cai 58% durante gestão Bolsonaro, diz site
    Bolsonaro fala em compromisso com a democracia e exalta golpe de 64 durante pronunciamento (VÍDEO)
    Tags:
    ONU, Assembleia Geral, regime militar, direitos humanos, Brasil, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar