13:22 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    9396
    Nos siga no

    Os Estados Unidos estão pressionando a Organização Mundial da Saúde (OMS) por uma revisão de suas atitudes durante a pandemia de coronavírus — e o Brasil pode se alinhar com Washington na discussão.

    Nesta segunda-feira (18), a OMS realizou de maneira virtual sua assembleia anual. Os Estados Unidos aproveitaram a ocasião para reforçar suas críticas à OMS e pedirem uma investigação da atuação do organismo. O secretário de Saúde dos EUA, Alex Azar, afirmou que a OMS "falhou em obter as informações que o mundo precisava e essa falha custou milhares de vidas".

    Entretanto o Brasil e outros 60 países apoiam o pedido de uma investigação "imparcial e independente" da resposta dada pela OMS à pandemia, afirma o site UOL. 

    Durante a assembleia, a OMS afirmou que a investigação começará assim que possível e o diretor-geral, Tedros Ghebreyesu, disse que a instituição "soou o alarme [sobre a pandemia] cedo, e soamos ele com frequência". Ao anunciar o coronavírus como uma emergência global em 30 de janeiro, havia menos de 100 casos fora da China e nenhuma morte, disse o diretor-geral.

    Para o professor de Relações Internacionais da Universidade Veiga de Almeida (UVA), Tanguy Baghdadi, se o Brasil junto com os EUA tomar uma atitude de crítica dura em relação à OMS, será mais um episódio de "alinhamento" com as ações do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

    "O Brasil também vem embarcando em uma onda crítica à OMS. Aliás, isso faz parte de uma estratégia mais ampla do governo brasileiro que é de embarcar em críticas dos Estados Unidos às principais organizações internacionais", diz Baghdadi à Sputnik Brasil. 

    Vale destacar que anteriormente o chanceler brasileiro Ernesto Araújo já tinha criticado a Organização Mundial da Saúde:

    "Transferir poderes nacionais à OMS, sob o pretexto (jamais comprovado!) de que um organismo internacional centralizado é mais eficiente para lidar com os problemas do que os países agindo individualmente, é apenas o primeiro passo na construção da solidariedade comunista planetária", escreveu em seu blog. 

    O analista relembra a decisão dos Estados Unidos de cortar o financiamento da OMS e a fala do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, de que Washington pode até mesmo criar uma agência própria como alternativa à OMS. 

    Nesta segunda, a China anunciou que doará US$ 2 bilhões, cerca de R$ 11 bilhões, para os esforços de combate à pandemia de COVID-19.

    Baghdadi diz que o objetivo das ações dos Estados Unidos e da proposta de criar uma organização para substituir a OMS é "enfraquecer" a organização presidida por Tedros Ghebreyesu.

    O professor da Universidade Veiga de Almeida diz que o Brasil apoiar a investigação sobre a OMS não significa automaticamente uma melhora ou piora da imagem nacional, mas ressalta que é necessário acompanhar como o Itamaraty irá se portar ao longo da discussão. Todavia, ressalta o analista, o Brasil corre risco caso escolha sempre "replicar" as posições da Casa Branca na arena internacional. 

    "Isso é um risco porque o Brasil acaba perdendo uma certa identidade diplomática que conseguiu construir ao longo de décadas. O ideal é que o Brasil consiga, por mais que tenha uma posição mais próxima à norte-americana, como historicamente tem, fazer uma avaliação própria de quais são os prós e contras de cada um dos cenários que aparecem pela frente."

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Flávio Bolsonaro nega ter recebido informação privilegiada sobre operação contra Queiroz
    Bolsonaro: Brasil ajuda a combater queimadas na Guatemala
    Bolsonaro participa de manifestação em frente ao Palácio do Planalto (VÍDEO)
    PGR pede que PF ouça Paulo Marinho em investigação sobre Bolsonaro
    Doria culpa Bolsonaro por baixo isolamento: 'Coronavírus x Bolsonaro vírus, não sei qual é pior'
    Tags:
    COVID-19, pandemia, Brasil, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar