10:33 12 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Avanço da pandemia de COVID-19 em meados de maio (112)
    182
    Nos siga no

    O secretário-geral da ONU, António Guterres, declarou que a Organização Mundial da Saúde (OMS) é "insubstituível", dizendo que a entidade precisa de mais recursos para apoiar seu trabalho nos países em desenvolvimento.

    Guterres estava se dirigindo à Assembleia Mundial da Saúde anual via link de vídeo nesta segunda-feira (18), quando fez o comentário um mês depois que os EUA cortaram fundos para o organismo internacional.

    Ele acrescentou que agora o mundo está pagando um "preço alto" por ignorar as recomendações da OMS em janeiro para combater a COVID-19.

    No mês passado, o presidente dos EUA, Donald Trump, acusou a OMS de ser "centrada na China" e de "administrar gravemente" a crise da COVID-19, além de "encobrir" a propagação do vírus em Pequim. Ele destacou que o financiamento dos EUA, o maior doador da organização, seria congelado enquanto se aguarda uma investigação.

    A decisão abrupta de Trump desencadeou condenação internacional, inclusive de Guterres, que afirmou que a organização "deve ser apoiada" e é "absolutamente crítica" aos esforços do mundo para vencer a pandemia da COVID-19.

    Presidente estadunidense Donald Trump fala aos jornalistas sobre a COVID-19 na Casa Branca
    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Presidente estadunidense Donald Trump fala aos jornalistas sobre a COVID-19 na Casa Branca

    O corte no financiamento também provocou descrença na Europa, com o chefe de política externa da União Europeia (UE), Josep Borrell, dizendo que os Estados do bloco de 27 membros "lamentam profundamente" a decisão dos EUA e que o momento da mudança era injustificável.

    Já o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, pontuou, entretanto, que a mudança era "uma expressão da abordagem muito egoísta" das autoridades norte-americanas em relação à crise.

    A Assembleia Mundial da Saúde, órgão decisório da OMS, foi aberta pela presidente suíça Simonetta Sommaruga, que prometeu "apoio e cooperação completos" ao país e disse que seus 194 Estados-membros devem "agir juntos" para acabar com a pandemia.

    Tema:
    Avanço da pandemia de COVID-19 em meados de maio (112)

    Mais:

    OMS afirma que infectar voluntários pode ser decisivo para desenvolver vacinas contra COVID-19
    'Humanos não são manadas': OMS adverte sobre brutalidade do efeito rebanho na luta contra COVID-19
    Pulverizar desinfetante nas ruas é perigoso e ineficaz, avisa OMS
    Tags:
    Sergei Ryabkov, Donald Trump, António Guterres, diplomacia, saúde, novo coronavírus, COVID-19, ONU, OMS, China, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar