22:19 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    3272
    Nos siga no

    Pela primeira vez desde o fim da Guerra Fria, forças navais da OTAN navegam no mar de Barents, o que refletiria a importância do Ártico na nova estratégia de Washington contra a Rússia, segundo especialista militar ouvido pela Sputnik.

    Em 4 de maio uma força naval da OTAN composta por três destróieres norte-americanos e uma fragata britânica, acompanhados de perto por um navio de abastecimento da Marinha norte-americana, assomaram no mar de Barents, no oceano Glacial Ártico.

    Marinhas dos EUA e do Reino Unido realizam exercícios marítimos conjuntos no Ártico (foto de arquivo)
    © Foto / Marinha dos EUA
    Marinhas dos EUA e do Reino Unido realizam exercícios marítimos conjuntos no Ártico (foto de arquivo)

    A frota ficou em águas internacionais, não chegando a violar a zona econômica exclusiva da Rússia. Contudo, a presença foi considerada inoportuna pelas autoridades russas, mesmo tendo sido previamente avisadas da operação pelo alto comando norte-americano.

    A missão da OTAN se destinaria alegadamente a garantir a segurança em condições meteorológicas adversas, manter a liberdade de navegação e exercitar a contínua interação entre aliados, e foi acompanhada de perto por forças navais e aéreas da Rússia.

    Finalidade do exercício

    O especialista militar Viktor Murakhovsky, ouvido pela Sputnik, afirmou que a OTAN "enviou navios de guerra para as fronteiras marítimas da Rússia a fim de demonstrar a 'força e prontidão' da aliança tendo como pano de fundo os exercícios cancelados", aludindo a um exercício semelhante planejado para o largo da costa da Noruega, mas que foi interrompido devido ao coronavírus.

    Navios da Marinha dos EUA não apareciam no mar de Barents desde a Guerra Fria, nos anos 80. Naquela época, a Frota do Norte da União Soviética, tal como a Frota do Pacífico, era considerada uma séria ameaça para os Estados Unidos e seus aliados.

    "Não vou revelar um grande segredo se disser que estamos criando no Ártico um sistema de vigilância abrangente para monitorar a situação no ar, na superfície marítima e debaixo d'água. Seus elementos essenciais já foram colocados em funcionamento. A visita dos destróieres no mar de Barents é uma excelente oportunidade para testar este sistema", afirmou o especialista militar.

    Murakhovsky assinalou que tem havido nos últimos tempos uma mudança na estratégia geral naval do Pentágono. Se após o fim da Guerra Fria os norte-americanos desconsideravam o poderio naval russo e, com exceção de suas visitas ao mar Negro, estavam principalmente engajados em operações de inteligência junto das fronteiras terrestres da Rússia, agora veem na Rússia e na China duas potências que não poderão ignorar.

    "Por isso, eles estão mudando o foco de seu treinamento operacional e de combate, a estrutura das Forças Armadas e até mesmo os conjuntos de armamento e equipamento militares. E a entrada da força naval no mar de Barents é um dos elementos dessa estratégia", garantiu o especialista.

    Rota Marítima do Norte

    Especialistas e políticos concordam que a visita sem precedentes de uma força de ataque de navios dos EUA e do Reino Unido ao mar de Barents representa um passo para o aumento da presença militar da OTAN na região do Ártico, fato que tem preocupado a Rússia.

    Vale recordar que já em janeiro, Nikolai Korchunov, diplomata do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, alertou para o fato de a crescente atividade da OTAN no Ártico "criar tensão, o que prejudica a preservação da região como zona de paz, estabilidade e interação construtiva".

    Mudança de paradigma

    Representantes dos EUA têm se pronunciado repetidamente sobre planos para tornar a região "livre para uso internacional", tendo sido mesmo em 2019 publicada a "doutrina do Ártico", que implica, entre outras coisas, o bloqueio da Rota Marítima do Norte por navios de guerra.

    Assim, o Ministério da Defesa russo vê-se na contingência de aumentar sua própria presença militar na região.

    Todo-o-terreno do presidente russo, Vladimir Putin, percorre a ilha Terra de Alexandra, no arquipélago ártico da Terra de Francisco José, na Rússia (foto de arquivo)
    © Sputnik / Aleksei Druzhinin
    Todo-o-terreno do presidente russo, Vladimir Putin, percorre a ilha Terra de Alexandra, no arquipélago ártico da Terra de Francisco José, na Rússia (foto de arquivo)

    No final de fevereiro, o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, anunciou a implantação de mais uma divisão de defesa antiaérea no Ártico, asseverando que a Rota Marítima do Norte está sob proteção segura, assegurando a "defesa de instalações industriais importantes e a proteção dos interesses econômicos da Rússia na zona do Ártico".

    "Lançamos ali uma base confiável para a criação da infraestrutura militar. Nas ilhas dos arquipélagos árticos foram construídos complexos administrativos e residenciais sem paralelo no mundo, onde os militares prestam serviço em regime de rotação", salientou o ministro.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Marinha dos EUA realiza exercícios navais conjuntos com Reino Unido no Ártico (FOTOS)
    Frota do Norte da Rússia monitora ações de navios da OTAN perto de suas fronteiras
    Pentágono explica por que enviou seus navios para a costa norte da Rússia
    Tags:
    manobras, Ártico, EUA, Reino Unido, OTAN, Mar de Barents
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar