23:05 26 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Brasil lidando com COVID-19 em meados de abril de 2020 (77)
    6111
    Nos siga no

    Ainda é cedo para medir a efetividade das ações adotadas pelo Brasil para reduzir os impactos da COVID-19 sobre a economia, mas a postura do governo após a crise atual deve ser expansionista, afirma especialista ouvido pela Sputnik.

    Nesta sexta-feira, completaram um mês as medidas restritivas adotadas por autoridades brasileiras para tentar reduzir a propagação do novo coronavírus, que já matou mais de dois mil pessoas no país. 

    ​De acordo com um relatório do Ministério da Saúde, o pico da COVID-19 no Brasil deve acontecer entre este e o próximo mês, e o coronavírus deve circular pelo território nacional até meados de setembro.

    O isolamento social e seus impactos na economia têm sido alvos de intensos debates nesse período, criando atritos entre o presidente, autoridades sanitárias, prefeitos, governadores, parlamentares e representantes da sociedade civil. Tal situação de desgaste levou o chefe de Estado brasileiro, Jair Bolsonaro, a realizar uma troca de ministros da Saúde, demitindo o ortopedista Luiz Henrique Mandetta para nomear, em seu lugar, o oncologista Nelson Teich, que tomou posse nesta manhã

    ​Ao longo de várias semanas, Mandetta e Bolsonaro entraram em choque diversas vezes por conta de suas opiniões opostas sobre a melhor abordagem para enfrentar o surto do coronavírus. Enquanto, seguindo orientações da Organização Mundial da Saúde, o então ministro decidiu defender um isolamento mais rígido e mais amplo, o presidente, por sua vez, se manifestou a favor de um relaxamento nessas medidas, citando preocupações também com o cenário econômico.

    Para o economista André Fernandes, professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, passados 30 dias do início dessa suposta quarentena, ainda é cedo para medir o impacto da pandemia na economia brasileira. No entanto, o que já se pode observar neste momento é que as expectativas de mercado já apontam no sentido de uma redução "relativamente drástica" no nível de atividade econômica.

    "Há quatro semanas, a expectativa de crescimento era de 1,68% no ano de 2020. Essa expectativa já se reverteu de um crescimento de 1,68% em uma queda de 1,96%", disse ele em entrevista à Sputnik Brasil. 

    Além das expectativas, o especialista destaca que vários setores da economia já têm reportado "uma diminuição substancial no seu nível de atividade". Mas, segundo ele, não é possível afirmar com certeza se as medidas que têm sido adotadas pelo governo no sentido de minimizar os impactos da COVID-19 na economia estão sendo efetivas pelo fato de que esses impactos ainda não são totalmente conhecidos.

    "O auxílio emergencial de 600 reais que começou a ser pago nesta semana é fundamental. Afinal de contas, já havia famílias pelo país inteiro que estavam começando a passar necessidade porque eram trabalhadores, ali, autônomos, que estavam na informalidade e que precisavam desenvolver sua atividade no dia a dia para ter algum tipo de receita, algum tipo de remuneração."

    Fernandes acredita que, após a crise do coronavírus, a administração federal deve se concentrar em "adotar as políticas econômicas de maneira expansionista".

    "As expectativas já apontam que há uma menor pressão sobre esse indicador, sobre a inflação. Então, me parece haver espaço aí para que a adoção de políticas econômicas de maneira expansionista se dê." 

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Brasil lidando com COVID-19 em meados de abril de 2020 (77)

    Mais:

    Ministério da Economia: ajuda a estados pode gerar impacto de R$ 93 bilhões
    COVID-19: 'Temos que escutar área da saúde', e não economistas, diz secretário do Tesouro
    Impacto da COVID-19: economia da China registra queda de 6,8% no 1º trimestre
    Tags:
    Jair Bolsonaro, doença, saúde, pandemia, surto, novo coronavírus, COVID-19, economia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar