19:25 19 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil lidando com COVID-19 em meados de abril de 2020 (77)
    8814
    Nos siga no

    O oncologista Nelson Teich assumiu na manhã desta sexta-feira (17) o comando do Ministério da Saúde, em cerimônia que conta com a presença do presidente Jair Bolsonaro, da primeira-dama Michelle Bolsonaro e outras autoridades.

    O ministro-chefe da Casa Civil, Braga Netto, e o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta – que abriu o evento com um discurso de despedida – também estiveram presentes à cerimônia em Brasília.

    Teich assume um ministério que já soma 30.891 casos e 1.952 mortes, de acordo com dados da pasta. Em seu discurso de posse, o novo ministro evitou falar em temas polêmicos, como o distanciamento social e a cloroquina, e declarou que quer trabalhar em parceria com municípios e estados contra o novo coronavírus.

    "Trabalhando com estados e municípios, que consiga ter agilidade na solução de problemas que estão surgindo. Você tem que analisar todo dia o que está acontecendo, fazer planejamento e executar", pontuou Teich.

    O novo ministro reforçou que a sua gestão buscará informações de todas as áreas envolvidas no combate à COVID-19 para melhorar e aprimorar as ações do ministério.

    "Tem que acompanhar também os indicadores sociais. Se tiver mais desemprego, pessoas que vão perder o plano de saúde, isso vai impactar o SUS [Sistema Único de Saúde]. [Nós vamos buscar a] informação detalhada, com qualidade, bem avaliada e bem estruturada. E formação de equipe. Coisa que pretendo trazer de forma mais intensa de transição de um ministro para o outro", prosseguiu Teich.

    Antes da fala do novo ministro, falaram o ex-ministro Mandetta, que agradeceu toda a sua equipe e o próprio presidente, seguido por Bolsonaro, que destacou que, como no futebol às vezes alterações durante o jogo são necessárias "por cansaço", e que deseja um meio termo entre o seu ponto de vista, mais preocupado com a economia, e o de Mandetta, focado na saúde.

    Quem é o novo ministro

    Nelson Luiz Sperle Teich é o novo ministro da Saúde após a demissão de Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), que retomará o seu mandato na Câmara dos Deputados. Oncologista e empresário, Teich foi escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro nesta quinta-feira (16).

    Presidente Jair Bolsonaro em coletiva ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    Presidente Jair Bolsonaro em coletiva ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

    A troca na pasta da Saúde ocorre após um período de desgaste entre o antigo titular e o presidente. Mandetta contrariou Bolsonaro publicamente e não o poupou de críticas em episódios em que Bolsonaro não seguiu as instruções da Organização Mundial da Saúde (OMS).

    Bolsonaro, por sua vez, também criticou Mandetta. Nesta quinta-feira (16), disse que a saída do ex-ministro do cargo ministerial foi um "divórcio consensual".

    Formado pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), o novo ministro da Saúde afirma em seu LinkedIn que faz doutorado em Ciências da Saúde - Economia da Saúde pela Universidade de York, do Reino Unido.

    Ele também já prestou consultoria ao Hospital Albert Einstein e fundou a empresa Grupo Clínicas Oncológicas Integradas. Desde março de 2020, é consultor da Teich Health Care. Integrante informal da equipe de transição de Bolsonaro em 2018, segundo a revista Veja, foi cotado para a pasta da Saúde, mas acabou preterido por Mandetta.

    Em sua rede social, Teich fez análises sobre a pandemia de coronavírus.

    "A função daqueles que lideram e preparam o sistema de saúde para enfrentar problemas, como esse da COVID-19, não é ter uma estratégia 'Robin Hood', imaginando que existe um alvo preciso e vendo aquilo que é decidido hoje como o que vai definir o sucesso ou fracasso da estratégia e da abordagem. O sucesso vai depender da capacidade de colher dados críticos em tempo real, de incorporar e analisar essa base de dados atualizada, de ajustar as projeções quanto aos possíveis impactos das escolhas, rever as decisões e desenhar novas medidas e ações", escreveu o novo ministro em 24 de março.

    No mesmo texto, o hoje ministro destaca que as previsões sobre o número de mortes causadas pela COVID-19 também "precisam levar em consideração o impacto de uma crise econômica nos níveis de saúde e mortalidade da população" e que ignorar os impactos econômicos da pandemia é um erro dos gestores.

    Em Brasília e discursando pela primeira vez como ministro, Teich defendeu a testagem em massa da população, o isolamento social e disse que não haverá mudanças radicais nas políticas públicas adotadas até o momento para lidar com o coronavírus.

    Tema:
    Brasil lidando com COVID-19 em meados de abril de 2020 (77)

    Mais:

    Ataque duplo: Bolsonaro diz que Maia vai 'quebrar o Brasil' e bolsonaristas pedem #ForaMaia
    Gestão Mandetta foi positiva e Bolsonaro errou ao trocá-lo, diz especialista
    Novo ministro da Saúde recebe uma 'batata quente' de Bolsonaro, diz médico
    Tags:
    política, posse, novo coronavírus, COVID-19, Ministro da Saúde, saúde, Jair Bolsonaro, Ministério da Saúde, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar