04:19 23 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Logotipo do Fundo Monetário Internacional (FMI)

    Como mudou o papel do FMI na América Latina em 75 anos

    © REUTERS / Yuri Gripas
    Análise
    URL curta
    0 60
    Nos siga no

    Há exatos 75 anos, no dia 22 de julho de 1944, em uma conferência monetária e financeira da ONU foi decidida a criação do Fundo Monetário Internacional (FMI).

    O economista espanhol Santiago Niño Becerra explicou durante sua entrevista à Sputnik Mundo o papel atual do FMI na América Latina.

    Na opinião do professor de estrutura econômica da Universidade Ramon Llull (Espanha), o papel que o FMI tem desempenhado desde a crise da dívida dos anos 80 na América Latina e em outros países não tem nada a ver com o que lhe foi originalmente atribuído em 1944, que era garantir a estabilidade de um sistema monetário internacional baseado no dólar em uma atmosfera de Guerra Fria.

    "Hoje o FMI é, por um lado, um emprestador que canaliza recursos financeiros e, por outro, um serviço de pesquisa que estima as tendências prováveis da economia mundial", afirma Niño Becerra.

    O especialista explica que a organização internacional desempenhou um papel importante na economia argentina, sendo que o país assinou um novo contrato com a entidade em 2018.

    "Com a Argentina, o FMI voltou um pouco ao papel dos anos 80, porque será o FMI que terá de desempenhar o papel de polícia quando os problemas de pagamento da dívida começarem na Argentina", disse Niño Becerra.

    Posição do FMI nos países latino-americanos

    Niño Becerra também recordou que Cuba foi um dos membros fundadores do FMI em 1944, mas os acontecimentos de 1961 tornaram impossível para Cuba permanecer "em uma organização projetada para atender aos interesses do dólar".

    Para o especialista, foi esse o motivo que "determinou a posição do FMI na América Latina nas três décadas seguintes".

    "Na minha opinião, até os anos 2000, a relação da América Latina com o FMI nada mais foi que a institucionalização em uma organização internacional dos interesses norte-americanos", ressaltou.

    Há também casos na história em que os governos decidem seguir o seu próprio caminho e rejeitam a ajuda do FMI, como foi o caso da Malásia, que renunciou à assistência da organização no período mais difícil da crise de 1997 a 1998 e que agora tem uma economia em constante crescimento.

    "Penso que o problema não está tanto em recusar ou não a ajuda do FMI, mas na dependência que faz com que um país tenha de se aproximar de uma economia muito grande ou de um organismo internacional para 'ser ajudado'. Em outras palavras, se um país carece de autonomia econômica e se torna dependente de 'alguém', acabará inevitavelmente caindo na estagnação", conclui.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    FMI divulga previsões econômicas globais: quais são perspectivas para América Latina?
    FMI: Brasil tem pior participação na economia mundial em quase 4 décadas
    Argentina já passou pelo pior momento de sua crise, diz representante do FMI
    Tags:
    economia mundial, América Latina, Fundo Monetário Internacional, FMI
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar