12:32 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Após passeata pela avenida Rio Branco, os manifestantes se reuniram na Cinelândia, centro do Rio, 30 de maio

    Jornalismo no Brasil: além do perigo de vida, aumenta agressão por motivos políticos

    © Sputnik / George Ribeiro
    Análise
    URL curta
    932

    Jornalistas apontam para crescimento do número de agressões por motivos políticos nos últimos anos.

    Entre os 38 jornalistas assassinados em todo o mundo no primeiro semestre deste ano, 2 são brasileiros. Assim o Brasil é o número 4 no ranking dos países mais perigosos para o exercício desta profissão na primeira metade de 2019.

    O que leva à insegurança da vida dos profissionais do jornalismo no Brasil?

    Sputnik Brasil conversou sobre o tema com Maria José Braga, presidente da Fenaj – Federação Nacional dos Jornalistas - que relatou existir de fato uma preocupação.

    Apesar do Brasil viver uma situação de normalidade, um grande número de jornalistas é morto mesmo assim, explicou a sindicalista. Além disso, os profissionais da área de comunicações sofre constantes ameaças durante o exercício da profissão.

    Se, por um lado, as mortes ocorrem mais no interior, as agressões físicas ocorrem mais em centros urbanos, em casos de manifestações públicas e aglomerações de pessoas. Por outro lado, o aumento de atividades nas redes sociais também traz problemas.

    "Temos também casos muito frequentes de agressões verbais, intimidações e ameaças nas redes sociais. Estas estão muito associadas à posições político-partidárias", explicou a especialista.

    Para mitigar os efeitos dos riscos, as entidades sindicais de jornalistas defendem a aprovação de um projeto de lei, que tramita no Congresso, para a "federalização das investigações de crimes contra jornalistas".

    Segundo ela, "um dos motivos da violência é a impunidade e a falta de identificação dos responsáveis".

    Além disso, é importante orientar as forças de segurança para agir de forma a proteger os jornalistas em caso de manifestações.

    "O jornalista não deveria ser o alvo", concluiu.

    A diretora do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro, Carmen Pereira, concordou com sua colega e acrescentou à Sputnik Brasil que a violência contra os jornalistas é "uma pauta permanente".

    Apesar dos dados de 2019 ainda não terem sido compilados, Carmen disse acreditar "que a questão política é uma motivação permanente da violência contra os jornalistas".

    Para ele também é necessário insistir em propostas de políticas públicas para controlar essa violência.

    "Na medida que você está atacando um jornalista, você está atacando a liberdade de expressão de toda a sociedade e a própria democracia fica fragilizada com essas agressões", concluiu.

    Tags:
    Brasil, especialista, violência, jornalismo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar