02:39 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Cúpula do G20 em Osaka, Japão

    Vontade de superioridade dos EUA arruína relações internacionais, dizem analistas

    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Análise
    URL curta
    6100
    Nos siga no

    Donald Trump disse muitas coisas boas da Rússia, China e Coreia do Norte durante a cúpula do G20. Mas hão há garantia que ele não anuncie na próxima semana em um tweet que mudou sua opinião, disseram analistas à RT.

    "Os resultados são sempre bons quando o presidente Trump se encontra com líderes mundiais, seja Putin, Xi Jinping ou o norte-coreano [Kim Jong-un]", comentou o analista político Andre Vltchek à RT, falando no final do encontro em Osaka, notando que, contudo, daqui a uma semana ou um mês Trump poderia acordar e tuitar algo sobre a Venezuela ou Coreia do Norte que contradiz completamente suas palavras anteriores.

    "Houve muita teatralidade" no G20, disse Paul Ingram, diretor executivo do Conselho Britânico-Americano de Informações sobre Segurança.

    "Donald Trump esteve falando muitas coisas que eram claramente destinadas para fazer manchetes. Mas o que está realmente acontecendo por baixo, ninguém sabe."

    Questão do armamento

    Independentemente do caminho que o líder dos EUA escolher a seguir, é muito importante que Moscou e Washington falem, especialmente sobre questões tão importantes como o controle de armamentos, disse Ingram. Como os EUA já se retiraram do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) e estão considerando abandonar o Novo START (Tratado de Redução de Armas Estratégicas), "é provável que possamos ter facilmente a instalação de novos mísseis nucleares na Europa, o que está aterrorizando muitos países europeus no momento".

    Trump, ao sair desses acordos marcantes de não-proliferação nuclear, mostra que "não há consciência na cabeça do presidente dos EUA sobre quanto esforço é necessário para negociar esses tratados", acrescentou.

    Após a retirada do INF, "eu não sei até onde a Rússia ainda pode confiar nos EUA", alertou Vltchek.

    "Obviamente, a Rússia não tem outra escolha senão fazer o seu melhor, para o bem do seu próprio povo e para o bem do mundo, para forçar os EUA a negociar."

    Planos para o futuro

    Vltchek acredita que "a coisa mais importante agora é manter Donald Trump otimista por pelo menos um ano, até ocorrer o próximo 'grande' encontro entre ele e Putin em 9 de maio de 2020." Durante o G20, Vladimir Putin convidou seu colega americano a ir a Moscou para as celebrações do Dia da Vitória na próxima primavera, e Trump supostamente "respondeu positivamente" à ideia.

    Líderes do G20 em Osaka, Japão
    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Líderes do G20 em Osaka, Japão

    Entretanto, em Osaka Trump declarou novamente sua disposição de resolver o impasse entre os EUA e a Coreia, dizendo mesmo que queria se encontrar com Kim na zona desmilitarizada entre o sul e o norte da península. O acordo coreano "demanda mais do que relações pessoais entre [Trump e Kim]", advertiu Ingram, observando que o processo precisa do "entendimento dos caminhos que levam um país como a Coreia do Norte a adquirir armas nucleares".

    O comportamento de Washington nas negociações coreanas é o mesmo que impede a resolução de outras disputas em todo o mundo, enfatizou Vltchek. "Todas as portas estão abertas – da Rússia, da China, da Coreia do Norte [...] seus líderes estão dispostos a negociar. São sempre os EUA que recuam e começam a pressionar para obter sua superioridade econômica ou – eu odeio usar a palavra – pelos seus interesses imperialistas."

    "A diplomacia é muito melhor do que a guerra ou o conflito [...] mas por trás da retórica estão sempre interesses nacionais", apontou o analista político Andrew Leung. As aspirações de Washington, Moscou e Pequim são diferentes, então o "terreno comum [deve ser encontrado], mas é claro que a administração Trump acredita que a América tem força dominante em muitas frentes e está preparada para usar essa força para empurrar o envelope para 'América primeiro'."

    "Usando como trunfo esse tipo de atitude em que o forte dita as políticas e o fraco tem simplesmente que obedecer, não é bem aceito por muitos outros países", advertiu Leung.

    A opinião do especialista pode não necessariamente coincidir com a da redação da Sputnik

    Mais:

    Rússia aumenta compras de ativos em yuan chinês e vende dólares
    Acordo Mercosul-UE: muita calma nessa hora, diz especialista
    Destróier da Marinha dos EUA dirige-se ao mar Negro
    Tags:
    Cúpula do G20, G20, Osaka, Japão, EUA, Coreia do Norte, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar