16:14 21 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Destróier Type 052C

    Por que Pentágono se preocupa com crescimento do poder da Marinha chinesa?

    © AFP 2019/ MARK SCHIEFELBEIN / POOL / AFP
    Análise
    URL curta
    690

    Dois analistas comentam o relatório estadunidense sobre o poder militar da China, no qual os EUA advertem sobre o desenvolvimento das capacidades navais chinesas.

    O Departamento de Defesa dos Estados Unidos publicou recentemente um relatório dedicado às capacidades militares da China. Segundo o documento, Pequim presta grande atenção ao reforço da Marinha, assim como à exploração do Ártico. O autor do documento opina que, graças à modernização do Exército, a China pode manter o estatuto de superpotência mundial. 

    Entretanto alguns analistas consideram que o reforço do poder das Forças Armadas da China está principalmente ligado com a proteção das vias marítimas, que adquiriram importância considerável à luz do crescimento econômico do país. 

    A China tem tido um desenvolvimento econômico considerável, cerca de 6.5 % ao ano, indicador duas vezes superior à média mundial, declarou o vice-diretor do Centro de Pesquisas Socioeconômicas da China, Pavel Kamenov, em entrevista ao RT

    "Pequim quer garantir a segurança das comunicações marítimas. Esta é a razão principal do desenvolvimento da sua infraestrutura militar no Oriente Médio e na África", disse o analista. 

    O relatório afirma que a China continua aumentando sua presença militar no mundo. Mas Pavel Kamenov aponta a diferença entre uma base militar e um posto de abastecimento e apoio logístico, sublinhando que, atualmente, a China não dispõe de nenhuma verdadeira base militar fora do país. 

    "Hoje em dia, a China não tem nenhuma base militar no exterior. Porque esse conceito inclui armamentos, armazéns de munições, postos de manutenção, infraestrutura de treinamento etc.", disse ele. 

    A secretaria de Defesa norte-americana exagera intencionalmente as capacidades da China para provar a tese da agressão e expansão chinesas. De fato, os EUA e a China têm um nível de poder militar completamente diferente, afirma Pavel Kamenov. 

    "Basta dizer que os EUA têm 11 porta-aviões e a supremacia completa nos navios nucleares. Mas a China não visa alcançar a paridade com Washington. O objetivo principal de Pequim é conter os EUA, e a China tem vindo a realizar essa tarefa com sucesso", afirmou o analista. 

    Outro analista russo, Aleksei Maslov, diretor da Universidade Nacional de Pesquisa — Escola Superior da Economia (HSE), partilha o mesmo ponto de vista. Ele também acha que a modernização das Forças Armadas da China não visa um confronto com os EUA, a questão principal para a China é garantir a segurança da logística. 

    "Na maioria, a Marinha chinesa consiste de material bélico desatualizado. Isso mesmo acontece com o único porta-aviões, Liaoning. […] Não haverá um aumento significativo do número de navios. Entretanto, a Marinha dos EUA planeia incorporar dezenas de novos navios de guerra, segundo o plano de [presidente norte-americano] Trump", disse ele em entrevista ao RT. 

    O analista considera que a modernização das Forças Armadas da China é necessária para reduzir a distância tecnológica entre o país e outros Estados. Ao mesmo tempo, o deslocamento de forças chinesas no Ártico é uma invenção estadunidense.

    Segundo ele, a verdadeira razão é o crescimento da concorrência econômica e geopolítica entre a China e os EUA. 

    "Claro que a China tem grandes apetites militares, mas devemos ter em conta que durante muito tempo Pequim não investiu nas suas Forças Armadas. Em resultado, a China atingiu posições de liderança na economia, mas não conseguiu que o Exército acompanhasse esse nível", explicou Aleksei Maslov.

    Mais:

    Avanço da China na Ásia Central pode causar atrito com a Rússia, diz Pentágono
    China causaria danos altamente significativos para EUA, aponta relatório
    China está desenvolvendo armamento eletromagnético, diz EUA
    Pentágono: Rússia e China podem ultrapassar EUA no espaço
    Mais de 3.000 bombas da 2ª Guerra Mundial são achadas debaixo de quintal na China (FOTOS)
    Análise: manobras navais conjuntas da Rússia e China enviam sinal para Ocidente
    Tags:
    Marinha da China, Rússia, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar