Globalização está em queda e acordo entre China e EUA não vai mudar isso, diz analista

© AP Photo / Andy WongBandeiras dos EUA e China (imagem de arquivo)
Bandeiras dos EUA e China (imagem de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O pico da globalização já chegou e se foi, de acordo com David Roche, presidente e estrategista global da Independent Strategy, de Londres.

Ele disse à rede CNBC que "a verdadeira reversão da globalização começou há sete anos", à medida que os países do mundo iniciaram políticas mais protecionistas.

Roche previu que até mesmo a China verá a maior parte de seu crescimento futuro advindo de atividades domésticas.

"A globalização está em um pé atrás, não é o acordo comercial com a China, um acordo de acordo comercial que acionaria o interruptor e ligaria o motor novamente - o dano foi feito", avaliou.

"Não há como avançar que a China é capaz de crescer usando o comércio internacional. Vai crescer mais internamente", acrescentou.

A Antártida, continente mais meridional do planeta - Sputnik Brasil
'Guerra' no continente gelado: Antártica pode se tornar local de atrito entre EUA e China

Roche observou que a China não é o único país a olhar para dentro. Ele explicou que, durante muitos anos, países como a Itália tiveram governos populistas adotando políticas nacionalistas, priorizando o benefício de curto prazo de seus cidadãos em vez de abraçar a globalização e a interconectividade que ela implica.

"Medidas protecionistas foram promulgadas há muitos anos", explicou, acrescentando: "Elas ecoam de volta para aqueles na Itália que perderam seus empregos porque não têm um mercado de trabalho em funcionamento e um governo completamente inepto".

Enquanto denunciava o protecionismo, Roche complementou: "Mas, é claro, o populismo quer respostas fáceis. Quer culpar a imigração, raça, quer culpar o fato de que alguém roubou nossos empregos".

"Estes são mitológicos, já que os empregos na indústria dos EUA teriam sido perdidos de qualquer maneira [...] a razão pela qual eles foram perdidos é a tecnologia", completou.

O estrategista comentou também que a solução para tudo isso é uma maior conectividade internacional, não menos.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала