19:07 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Vitaly Mutko, no lançamento do concurso para a escolha do mascote da Copa do Mundo de 2018.

    Chefe do Comitê Organizador da Copa Rússia 2018 anuncia disposição de renunciar ao cargo

    © Sputnik / Alexander Natruskin
    Mundo
    URL curta
    111

    O vice-primeiro ministro russo, Vitaly Mutko, já havia anunciado a suspensão do seu cargo de presidente da União Russa de Futebol enquanto estiver em curso a ação judicial sobre o escândalo do doping com o Comitê Olímpico Internacional.

    O presidente do Comitê Organizador da Copa do Mundo Rússia 2018, Vitaly Mutko, anunciou nesta segunda-feira (25) sua disposição de renunciar ao cargo, mas frisou que a decisão final será das autoridades russas. 

    "Eu acredito que vou sugerir isso [deixar o cargo no comitê organizador], mas quem vai decidir é o chefe de Estado, o chefe do governo e o conselho de supervisão. Mas a lógica que irá determinar isso. Eu me orientei pelo trabalho público", disse Mutko a jornalistas.

    O Conselho Executivo do COI emitiu uma proibição perpétua ao vice-primeiro-ministro russo, Vitaly Mutko, e ao ex-vice-ministro do esporte, Yuri Nagornykh, de qualquer participação em todos os futuros Jogos Olímpicos por conta do escândalo do doping envolvendo a Rússia.

    Com isso, Mutko declarou que apresentará uma ação judicial no Tribunal de Arbitragem Esportiva em Lausanne na terça-feira sobre a decisão do COI. 

    Mais:

    Investigação: 'Ninguém confirma a existência de programa estatal russo de doping'
    Autoridades esportivas reconhecem que Rússia não apoia doping
    Escândalo do doping: Acusações contra governo russo serão retiradas
    'Doping epiléptico': Hackers divulgam as substâncias usadas por atletas dos EUA
    COI: todas as amostras de sangue de 63 atletas da Rússia deram negativo para doping
    Tags:
    doping, Copa do Mundo Rússia 2018, Copa do Mundo de 2018, Comité Olímpico Internacional (COI), Vitaly Mutko, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik