03:19 16 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Estádio Olímpico de PyeongChang, palco dos Jogos de Inverno de 2018

    'Pressão internacional tirou a Rússia dos Jogos de Inverno de 2018'

    AP Photo/Ahn Young-joon
    Esportes
    URL curta
    COI deixa Olimpíada sem Rússia (9)
    1649

    O Comitê Olímpico Internacional excluiu a Rússia dos Jogos de Inverno de PyeongChang, na Coreia do Sul, que serão disputados de 9 a 25 de fevereiro de 2018.

    A decisão do COI foi anunciada nesta terça-feira, 5, a 66 dias do início da competição. A exclusão da Rússia foi atribuída às denúncias de supostos casos de doping envolvendo o país e seus atletas olímpicos.

    O Comitê Olímpico Internacional, ao mesmo tempo, abriu a possibilidade de os atletas russos que não estejam ligados às denúncias de uso de doping disputarem os Jogos de Inverno da Coreia do Sul sem representar seu país. Nesse caso, teriam de competir por uma bandeira neutra (até mesmo a do COI) ou em caráter individual.

    Para o jornalista Gilberto de Souza, diretor e editor-chefe do jornal Correio do Brasil, a decisão do Comitê Olímpico Internacional reflete o resultado de pressões internacionais:

    "Existe uma posição de força tomada pelos países que participam dessa tentativa de impor um boicote à Rússia em níveis impensáveis", diz Gilberto de Souza.

    "Não há dúvida de que uma intensa pressão internacional anti-Rússia determinou seu banimento dos Jogos de Inverno da Coreia do Sul. Em minha opinião, é preciso verificar o que se esconde por detrás dessa decisão, e essa investigação deveria ficar a cargo de países neutros, de modo a assegurar a lisura da verificação."

    Tema:
    COI deixa Olimpíada sem Rússia (9)

    Mais:

    Rússia perde 1° lugar conquistado nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014
    França afirma que pode não participar dos Jogos Olímpicos de Inverno na Coreia do Sul
    Tags:
    banimento, doping, boicote, esportes, COI, Comité Olímpico Internacional (COI), Brasil, Coreia do Sul, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik