08:34 21 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Presidente ucraniano Pyotr Poroshenko em visita a base militar nos arredores de Kiev

    Poroshenko diz que armas letais dos EUA são importantes para proteção do povo ucraniano

    © AFP 2018 / GENYA SAVILOV
    Mundo
    URL curta
    438

    O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, declarou neste sábado (23) que o fornecimento de armas letais dos EUA é necessário para a "proteção das tropas ucranianas e da população civil".

    Na sexta-feira, a porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Heather Nauert, informou que Washington decidiu fornecer armas defensivas à Ucrânia para proteger sua integridade territorial e sua soberania.

    Poroshenko disse que a decisão sobre o fornecimento de armas defensivas letais foi confirmada durante a sua conversa com o secretário de Estado, Rex Tillerson. 

    "As armas americanas nas mãos de soldados ucranianos não são para atacar, mas para uma repelir decisivamente o agressor, para proteger soldados e civis ucranianos, bem como garantir uma auto-defesa eficaz, em conformidade com o artigo 51 da Carta da ONU", publico Poroshenko em sua página no Facebook neste sábado.

    O presidente dos EUA, Donald Trump, assinou o projeto de defesa do país no início deste mês, autorizando US$ 350 milhões em ajuda militar para a Ucrânia, metade dos quais está condicionado às reformas militares.

    A Ucrânia, que se envolveu em um conflito militar na região sudeste de Donbass há três anos, solicitou repetidamente aos Estados Unidos armas lícitas e não-letais. A Rússia se opôs a isso, alertando que as entregas de armas para a Ucrânia só escalariam o conflito.

    Mais:

    EUA defendem ajuda militar milionária à Ucrânia como 'apoio à soberania' de Kiev
    Como 'vela nuclear' dos EUA pode mergulhar Ucrânia em catástrofe radioativa?
    Analista: EUA apenas criam aparência de não quererem empurrar Ucrânia para o conflito
    Tags:
    soberania, defesa, conflito, armas, Pyotr Poroshenko, Rússia, EUA, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik