02:36 19 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    As ações da coalizão internacional liderada pelos EUA na Síria só dificultam a derrota do grupo terrorista Daesh (Estado Islâmico) por parte das tropas leais ao governo do país. Quem afirma é o chefe operacional do Estado-Maior da Rússia, Sergei Rudskoy.

    "No momento vemos que as ações da coalizão só impedem a derrota do Daesh por parte das forças governamentais", afirmou a repórteres. 

    Bandeiras da Rússia e da Síria no convés do porta-aviões russo Admiral Kuznetsov no Mediterrâneo
    © Sputnik / Serviço de Imprensa da Frota do Norte/Andrey Luzik/USO EDITORIAL
    Rudskoy acrescentou que o Estado-Maior russo "não vê que a luta da coalizão liderada pelos EUA contra o Daesh tenha resultados significativos". 

    Na última terça-feira (7) a coalizão internacional realizou um ataque contra as tropas pró-governamentais da Síria na região de Tanf. 

    O Ministério das Relações Exteriores da Síria fez um apelo para que a coalizão internacional liderada pelos EUA ponha fim aos bombardeios aéreos contra as tropas governamentais sírias, afirmando que estes ataques só levam ao fortalecimento do Daesh. 

    O ataque desta semana na zona de segurança em Tanf, onde a coalizão internacional realiza treinamento de rebeldes sírios, foi o segundo bombardeio na região em menos de um mês. 

    A Rússia, por sua vez, informou na última terça-feira que exigirá uma sessão extraordinária no Conselho de Segurança da ONU para tratar do mais recente ataque contra Tanf. Moscou classificou o ato como uma "agressão". 

    Mais:

    Estado-maior russo afirma que guerra civil na Síria de fato parou
    Diplomacia russa discute situações de Síria e Qatar com embaixador saudita
    Opinião: ações da coalizão podem provocar crise na Síria
    Força Aérea Síria ataca Daesh no oeste de Raqqa
    Tags:
    bombardeio, ataque aéreo, coalizão internacional, Estado Islâmico, Daesh, Estado-Maior, Sergei Rudskoy, Tanf, Rússia, EUA, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar