00:50 24 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Rússia combate Estado Islâmico na Síria (291)
    15451
    Nos siga no

    A participação militar da Rússia no conflito sírio pode resgatar os preços do petróleo bruto, afirmou T. Boone Pickens, magnata americano que chefia o grupo petroleiro BP Capital Management.

    Pickens, que está no ramo de gás e petróleo há mais de 50 anos, prevê mudanças significativas no mercado energético em breve.

    "Há um novo xerife na cidade", disse Pickens à CNBC, fazendo alusão à Rússia.

    Segundo o magnata, ao iniciar sua operação militar na Síria, a Rússia protagoniza sua atuação mais importante na região desde 1973. "Eles estão de volta, e não é brincadeira."

    Pickens presume que, levando em conta a situação atual, a Rússia pode forçar a Arábia Saudita a cortar sua produção, o que eventualmente elevaria os preços do petróleo.

    A CNC, em contraste, ressaltou que a conexão entre a atuação militar da Rússia e os preços do petróleo não é simples porque Rússia, Síria e Irã estão de um lado, com a Arábia Saudita, principal integrante da OPEP, do outro.

    Alguns analistas alegam que a Arábia Saudita vem mantendo sua produção alta para prejudicar a economia russa. Além disso, Riad quer manter sua posição no mercado e exercer pressão econômica no Irã.

    Pickens, por sua vez, afirmou que a Arábia Saudita pode se sentir compelida a dobra-se às vontades da Rússia.

    Nesta sexta-feira, os preços do petróleo estavam em alta por causa da expectativa do mercado de um aumento na demanda.

    Tema:
    Rússia combate Estado Islâmico na Síria (291)

    Mais:

    O que OTAN está fazendo na Síria? Nada
    Por que os caças da Rússia na Síria também bombardeiam a hipocrisia dos EUA
    General do Irã é morto na Síria durante missão de aconselhamento em Aleppo
    EUA (quase) encerram programa de treinamento na Síria
    Aviões russos realizam 67 voos e destroem 60 posições do Estado Islâmico na Síria
    Tags:
    demanda, aumento, preço do petróleo, petróleo, OPEP, T. Boone Pickens, Arábia Saudita, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar