Países 'libertados' pelos EUA pedem ajuda à Rússia

© Sputnik / Smitry Vinogradov / Abrir o banco de imagensAviões russos Sukhoi em aeroporto perto de Latakia, base russa durante a operação contra o Estado Islâmico.
Aviões russos Sukhoi em aeroporto perto de Latakia, base russa durante a operação contra o Estado Islâmico. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Iraque e o Afeganistão, que um dia foram libertados e “democratizados” pelos EUA, atualmente estão à procura de ajuda russa para combater os terroristas do grupo Estado Islâmico. Moscou está pronta para ajudar mas só após um pedido oficial dos governos, divulgou o periódico italiano Il Giornale.

Cidade de Marea, onde em abril o Estado Islâmico explodiu um carro-bomba - Sputnik Brasil
Chancelaria: Estado Islâmico treina militantes da Rússia no Afeganistão
"O equilíbrio de forças tem mudado no Oriente Médio," escreveu a edição.

Após a guerra no Iraque de 2003 o país se tornou um protetorado de Washington. Mesmo assim, agora Bagdad está deixando o seu "libertador" e se virando para a Rússia.

O artigo sublinhou que este pedido foi resultado de ataques aéreos da coalizão liderada pelos EUA, que provaram ser pouco eficientes no combate contra o grupo terrorista Estado Islâmico. 

Recentemente, o governo iraquiano anunciou que poderia pedir a ajuda da Rússia, mas Moscou respondeu que só consideraria um pedido oficial.

A respectiva declaração foi feita pela presidente do Conselho da Federação da Rússia (Câmara Alta do Parlamento russo), Valentina Matvienko. Enquanto isso, o pedido oficial ainda não foi feito pela parte iraquiana.

Caças Rafale da Força Aérea da França se prerarem apoiar a coalizão internacional contra o Estado Islâmico, 27 de setembro de 2015 - Sputnik Brasil
Força Aérea francesa ataca Estado Islâmico na Síria
Segundo o artigo italiano, a mesma questão está sendo estudada no Afeganistão onde, durante o encontro com o líder da Chechênia, Ramzan Kadyrov, o vice-presidente Abdul Rashid Dostum pediu a ajuda russa na luta contra o terrorismo.

Desde 30 de setembro último, a pedido do presidente sírio Bashar Assad, a Rússia iniciou ataques localizados contra as posições do Estado Islâmico na Síria, usando aviões Su-25, bombardeiros Su-24M, Su-34, protegidos por caças Su-30SM.

Posto de controle do exército governamental na Síria - Sputnik Brasil
China não tem pressa de intervir na situação na Síria
Segundo os dados mais recentes, as Forças Aeroespaciais russas realizaram, desde o início da operação, cerca de 140 missões contra as posições dos terroristas, nomeadamente postos de comando, campos de treinamento e arsenais. Além disso, os navios da Frota do mar Cáspio lançaram 26 mísseis de cruzeiro contra os territórios controlados pelos jihadistas. A precisão de ataque é de cerca de 5 metros.

Os alvos dos ataques são estabelecidos com base nos dados de reconhecimento russo, sírio, iraquiano e iraniano. O embaixador sírio na Rússia, Riad Haddad, confirmou que as missões aéreas são realizadas contra organizações terroristas armadas, e não contra grupos da oposição política ou civis. Além disso, segundo ele, em resultado da operação da Força Aérea russa, já foi destruída cerca de 40% da infraestrutura do Estado Islâmico.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала