09:09 25 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 42
    Nos siga no

    Membros do Parlamento Europeu enviaram uma carta aberta ao primeiro-ministro ucraniano Arseny Yatsenyuk nesta sexta-feira (8) exigindo a apresentação imediata dos resultados das investigações sobre os assassinatos no centro de Kiev e o incêndio na Casa dos Sindicatos de Odessa, ocorridos em fevereiro e maio do ano passado.

    No total, treze eurodeputados de oito países assinaram a carta, pedindo que Yatsenyuk faça uso de “todas as oportunidades disponíveis” para apresentar os resultados da investigação, que também aborda “numerosos casos de justiça seletiva e violações processuais” no país.

    O documento, redigido por iniciativa do deputado tcheco Miroslav Ransdorf e da deputada letã Tatjana Zdanoka, também manifesta preocupação com a série de assassinatos de jornalistas e políticos da oposição que vem ocorrendo na Ucrânia.

    Em 2 de maio de 2014, dezenas de ativistas do movimento de protesto contra o golpe ocorrido em Kiev morreram no edifício da Casa dos Sindicatos de Odessa, que supostamente teria sido incendiado por radicais da facção ultranacionalista ucraniana Setor de Direita e seus cúmplices. De acordo com relatórios recentes, 48 pessoas morreram e 214 ficaram feridas. 

    Antes disso, dezenas de pessoas já haviam sido mortas na Praça da Independência de Kiev (Maidan) devido à ação de snipers que, supostamente, também poderiam estar a serviço dos ultranacionalistas, e também devido ao uso de armas de fogo e coquetéis Molotov por parte da oposição. O centro da capital ucraniana vinha sendo ocupado desde novembro de 2013 por manifestantes pró-ocidentais que exigiam a volta do processo de integração da Ucrânia com a União Europeia, e foi palco de diversos confrontos com a polícia e grupos extremistas.

    No último sábado (2), o aniversário de um ano da tragédia de Odessa foi lembrado em diversos países, como Rússia, Itália, Canadá, França e Inglaterra, com uma série de homenagens aos mortos, pedidos de justiça e slogans antifascistas.

    Até agora, porém, a investigação realizada por dois grupos parlamentares e pela polícia ucraniana não identificou os autores dos crimes. As Nações Unidas classificaram como 'inadequadas' as medidas tomadas pelas autoridades ucranianas para investigar os assassinatos do ano passado em Kiev e Odessa.

    O Setor de Direita é uma união de organizações nacionalistas de extrema direita. Em janeiro e fevereiro de 2014, os combatentes do movimento participaram dos confrontos com a polícia e no assalto a edifícios administrativos em Kiev. Depois de abril, participaram da repressão aos protestos contra o golpe de Estado e aos movimentos por independência no leste do país, ao lado do exército ucraniano. Em março de 2014, o grupo foi transformado em partido político, liderado por Dmitry Yarosh, mas manteve ao mesmo tempo o seu braço armado. A atividade do Setor de Direita é proibida na Rússia, que considera extremista o caráter da organização.

    Mais:

    Diplomata tcheco justificou queima de 48 pessoas em Odessa
    Tribunal se recusa a divulgar causas da morte das 48 vítimas da tragédia em Odessa
    Ministério Público Militar da Ucrânia permite ao Setor de Direita violar as leis
    Nacionalistas do Setor de Direita se rebelam contra seus patrões no governo em Kiev
    Poklonskaya promete punir todos que batiam em crimeanos no Maidan
    Tags:
    fascismo, neonazismo, nazismo, massacre, Molotov, Maidan, Setor de Direita, Casa dos Sindicatos de Odessa, Tatjana Zdanoka, Miroslav Ransdorf, Dmitry Yarosh, Rússia, Kiev, Odessa, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar