00:44 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    1240
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil está acompanhando as matérias mais relevantes desta terça-feira (5), marcada pelas declarações de Campos Neto que o PIB do Brasil tem boas posições em contraste com outros países, pela queda global do Facebook e pelas tensões entre Biden e republicanos pelo aumento do teto da dívida dos EUA.

    COVID-19: com novo lote da IFA, Fiocruz pode produzir 5,1 milhões de vacinas

    Nesta segunda-feira (4), a Fiocruz recebeu um novo carregamento de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) do imunizante contra a COVID-19. O lote recebido permitirá produzir cerca de 5,1 milhões de doses de vacinas por meio do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz). Conforme a Fiocruz, o quantitativo garante entregas de vacina semanais sem interrupções até 5 de novembro. Mais de 370 mil doses foram entregues para o Ministério da Saúde na segunda-feira (4), enquanto no total a instituição já distribuiu 107,7 milhões de doses ao Programa Nacional de Imunizações. Além disso, a Fiocruz notificou possuir agora aproximadamente 16 milhões de doses que se encontram em diferentes estágios. Seis milhões destas serão entregues a partir da próxima semana. Entretanto, o Brasil confirmou mais 199 mortes e 11.149 casos de COVID-19, totalizando 598.185 óbitos e 21.476.823 diagnósticos da doença, informou o consórcio entre secretarias estaduais de saúde e veículos de imprensa.

    Vacinação contra a COVID-19 no Brasil, 2 de outubro de 2021
    © Folhapress / Denny Cesare/Código 19
    Vacinação contra a COVID-19 no Brasil, 2 de outubro de 2021

    PIB do Brasil teve queda menor que países em recuperação mediana, diz Campos Neto

    O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse, durante um evento da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), que o país esteve em uma boa posição do Produto Interno Bruto no combinado de 2020 e 2021. Mesmo assim, deve realizar reajustes para o ano que vem. Do ponto de vista dele, o programa de auxílio existente no país ajudou na classificação de "uma queda menor", em comparação com outros Estados em "recuperação mediana". Ainda assim, o Brasil deve continuar as reformas "para aumentar esse crescimento estrutural", mesmo que tenha se recuperado mais rápido que os demais países durante a pandemia. Ele também admitiu o problema da inflação, que afetou inclusive o real, que se "depreciou" bastante no ano passado. Porém, ele classifica que a moeda está em um nível "um pouquinho melhor" em comparação com outros países. De acordo com Campos Neto, a urgência do governo é conseguir a credibilidade dos consumidores e criar vagas de empregos, mas a partir da iniciativa privada, uma vez que o governo é "limitado" em seus recursos, cita suas palavras o Correio Braziliense.

    Presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    Presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto

    Barroso sobre voto impresso: 'Finalmente esse defunto foi enterrado'

    Nesta segunda-feira (4), o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Luís Roberto Barroso, anunciou o encerramento da discussão sobre o voto impresso. Barroso se pronunciou após a cerimônia que marcou o início do processo eleitoral de 2022, com abertura do código-fonte das urnas eletrônicas. "O TSE teve a preocupação de esclarecer a parcela da população que tinha dúvidas acerca do sistema. Procuramos atuar didaticamente para dizer que uma causa que precise de ódio e teoria conspiratória não é uma causa boa", declarou Barroso. Suas palavras vêm em meio aos repetidos ataques verbais contra o sistema de voto eletrônico pelo presidente Jair Bolsonaro, defensor da volta da impressão do voto. "Nós nos empenhamos para que as urnas expressem fidedignamente a vontade popular", adicionou o ministro. Em agosto, a Câmara dos Deputados arquivou uma PEC que propunha o voto impresso em eleições, plebiscitos e referendos. Depois que "o próprio presidente da República diz que confia no voto eletrônico, acho que finalmente esse defunto foi enterrado", expressou Barroso.

    Presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    Presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso

    Queda massiva do Facebook foi resultado de uma mudança de configuração defeituosa

    A queda global do Facebook, Instagram e WhatsApp que durou várias horas na segunda-feira (4) foi consequência de uma mudança de configuração defeituosa, informou a empresa de Mark Zuckerberg. "Nossas equipes de engenharia averiguaram que as mudanças de configuração nos roteadores-tronco que coordenam o tráfego de rede entre nossos centros de dados causaram problemas que interromperam a comunicação", declarou o vice-presidente de Engenharia do Facebook, Santosh Janardhan. Segundo ele, "essa interrupção teve um efeito cascata" na forma de comunicação de centros de dados, o que paralisou os serviços da empresa. Agora o funcionamento de todos os serviços é restaurado. A interrupção de várias horas provocou um caos total, especialmente porque muitas empresas utilizam os serviços do Facebook para trabalho. O site Privacy Affairs relatou que, na sequência da interrupção, dados de cerca de 1,5 bilhão de usuários teriam sendo vendidos no mercado de hackers. Atualmente, o Facebook não tem evidência que os dados de usuários tenham sido comprometidos como resultado dessa queda. "Pedimos desculpas a todos os afetados e estamos trabalhando para compreender mais o que aconteceu hoje [4] para poder continuar melhorando nossa infraestrutura." Conforme os dados do plataforma Downdetector, para o Facebook isso foi a maior interrupção do funcionamento em toda sua história. Ante o ocorrido, as ações da rede caíram por volta de 5%.

    Logotipos do Facebook, WhatsApp e Instagram vistos através de vidro quebrado, 4 de outubro de 2021
    © REUTERS / Dado Ruvic
    Logotipos do Facebook, WhatsApp e Instagram vistos através de vidro quebrado, 4 de outubro de 2021

    Biden insta os republicanos a aumentarem teto da dívida dos EUA

    O presidente Joe Biden exortou a que os senadores republicanos "saiam do caminho" e deixem os democratas suspenderem o limite da dívida nacional, esperando não permitir o impasse do governo americano. O líder dos republicanos no Senado, Mitch McConnell, recusou a prestação de ajuda por parte de seu partido. O criticismo de Biden, nesta segunda-feira (4), vem enquanto o Congresso está enfrentando o prazo final de 18 de outubro para permitir mais empréstimos a fim de manter o governo operacional após ter acumulado um total da dívida pública de US$ 28,4 trilhões (R$ 155 trilhões). A Câmara aprovou uma medida para suspender o limite da dívida, mas McConnell está envolvendo os democratas no Senado em um processo complicado. Biden notou que o limite da dívida se aplica a empréstimos que já ocorreram, incluindo sob o ex-presidente Donald Trump, e disse que os republicanos estão prejudicando o país ao bloquear a medida. "Eles devem parar de jogar roleta russa com a economia americana", disse ele na Casa Branca. "Os republicanos só têm de nos deixar fazer o nosso trabalho. Saiam do caminho. Se não querem ajudar a salvar o país, saiam do caminho para não o destruir." Mas McConnell respondeu que os democratas devem lidar com o limite sozinhos, se seu partido quer governar sozinho.

    Notas para o presidente Joe Biden rolando na tela enquanto ele fala sobre o aumento do teto da dívida, Casa Branca, EUA, 4 de outubro de 2021. A nota diz: Eles devem parar de jogar roleta russa com a economia americana
    © REUTERS / JONATHAN ERNST
    Notas para o presidente Joe Biden rolando na tela enquanto ele fala sobre o aumento do teto da dívida, Casa Branca, EUA, 4 de outubro de 2021. A nota diz: "Eles devem parar de jogar roleta russa com a economia americana"

    Presidente francês: cúpula do G20 deve enviar mensagem clara ao Talibã sobre condições para reconhecimento

    Nesta segunda-feira (4), o presidente da França, Emmanuel Macron, disse em entrevista à rádio France Inter que quer levantar a questão das condições para reconhecimento do Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) na cúpula do G20, que ocorrerá em Roma neste mês. Ele disse que "é nosso dever pressionar o Talibã". Segundo ele, entre as condições para seu reconhecimento internacional estão a ausência de cooperação com outros grupos terroristas e acesso para operações humanitárias internacionais. Além disso, Macron chamou de "horrível" a situação das mulheres no Afeganistão após a chegada do movimento ao poder no país, em meados de agosto, e adicionou que assegurar o futuro para as mulheres afegãs é mais uma condição para os talibãs, se quiserem ser reconhecidos. Enquanto isso, a França está enfrentando agora relações tensas com a Argélia. O presidente francês expressou ontem (4) sua esperança na pacificação dos laços entre os países: "Meu desejo é uma acalmia, porque eu acho que é melhor falar e fazer progressos". No sábado (2), Argel convocou seu embaixador na França para consultas após Paris ter anunciado condições para emissão de vistos mais rigorosas, inclusive para cidadãos da Argélia.

    Mais:

    Falha técnica faz diversos drones caírem sobre multidão durante espetáculo de luzes na China (VÍDEO)
    Passageiros são evacuados de avião em chamas após motor ser atingido por pássaro nos EUA (VÍDEO)
    Registrada nova infecção no Japão causada por vírus antes desconhecido
    Tags:
    Joe Biden, Brasil, Luís Roberto Barroso, Banco Central, Fiocruz, Emmanuel Macron, França, Argélia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar