18:35 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    1362
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil está acompanhando as matérias mais relevantes desta segunda-feira (13), marcada pelo assassinato do vereador de Duque de Caxias no RJ, pelos testes de novo míssil de longo alcance na Coreia do Norte e pela derrota da coalizão governamental nas primárias na Argentina.

    Em carta a Bolsonaro, Parlamento Europeu critica violência contra indígenas

    50 deputados do Parlamento Europeu assinaram uma carta enviada ao presidente Jair Bolsonaro onde expressaram suas preocupações com a violência crescente contra a população indígena no Brasil e com a política do governo no âmbito do meio ambiente. Segundo informou o jornal Folha de São Paulo no domingo (12), foram criticados particularmente o projeto de lei que muda as regras de demarcação de terras indígenas e também o projeto sobre regularização fundiária. Declarando seu apoio à Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, os deputados do Parlamento Europeu exortaram o governo federal do país a parar "com sua política anti-indígena e anti-meio ambiente que causa a destruição da floresta amazônica", conforme o documento. Entre os signatários da carta estão representantes dos grupos políticos EPP (democrata cristão), Os Verdes/Aliança Livre Europeia, S&D (Aliança Progressista de Socialistas e Democratas) e The Left (esquerda), bem como parlamentares independentes.

    Pessoas queimam efígie representando o presidente do Brasil Jair Bolsonaro durante a segunda marcha das mulheres indígenas, Brasília, 10 de setembro de 2021
    © REUTERS / Adriano Machado
    Pessoas queimam efígie representando o presidente do Brasil Jair Bolsonaro durante a segunda marcha das mulheres indígenas, Brasília, 10 de setembro de 2021

    COVID-19: Pfizer entrega maior lote da vacina ao Brasil; DF ultrapassa taxa de transmissão do vírus indicada pela OMS

    Na noite de ontem (12), a farmacêutica Pfizer completou a entrega de 5,1 milhões de doses do imunizante. A remessa chegou em quatro lotes em um único dia, com desembarque no Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), e é a maior da Pfizer/BioNTech desde o início dos envios no mês de abril. O Ministério da Saúde saudou, em nota, as novas doses da vacina, que permitem acelerar a campanha de vacinação e notificou que já foram imunizados "mais de 70 milhões de brasileiros com as duas doses ou a vacina de dose única, ou seja, quase 44% da população adulta". Enquanto isso, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal registrou o aumento na taxa de transmissão da COVID-19, que ultrapassou o valor indicado pela Organização Mundial da Saúde. O valor é 1,01, de acordo com o boletim, sendo maior do que a taxa de 1 com a qual a pandemia tende a acabar. Entretanto, o Brasil confirmou mais 292 mortes e 8.082 casos de COVID-19, totalizando 586.882 óbitos e 20.996.784 diagnósticos da doença, informou o consórcio entre secretarias estaduais de saúde e veículos de imprensa.

    Frascos de vacina contra a COVID-19, 11 de setembro de 2021
    © Folhapress / Denny Cesare
    Frascos de vacina contra a COVID-19, 11 de setembro de 2021

    Vereador de Duque de Caxias é morto a tiros no RJ

    Neste domingo (12), por volta das 20h30, foi assassinado o vereador de Duque de Caxias, Joaquim José Quinze Santos Alexandre, o Quinzé. Segundo informações preliminares da Polícia Militar, o vereador foi ao Parque Novo Rio, em São João de Meriti, para visitar uma pessoa, e, desembarcando do carro, levou vários tiros de um indivíduo dentro de um automóvel branco. O criminoso fugiu, ainda não há informações sobre o motivo do assassinato. A Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense investiga o crime. Quinzé era um ex-policial militar e tinha 66 anos. Foi eleito pelo PL em 2020. Estava em seu terceiro mandato, marcado pela assistência para famílias carentes e iniciação de esporte para crianças e adolescentes. O vereador foi eleito pela primeira vez para a Câmara Municipal de Caxias em 2004, pelo PP. Sua vaga na Câmara será ocupada por Elson da Batata (PL). Desde o ano de 2018, 25 políticos foram assassinados no estado. Em março desde ano, foram mortos a tiros também o vereador de Caxias Danilo Francisco da Silva, o Danilo do Mercado (MDB), e o filho dele, Gabriel da Silva.

    Coreia do Norte testa novo míssil de cruzeiro de longo alcance

    Pyongyang testou seu novo míssil de cruzeiro de longo alcance no decorrer deste final de semana, informou a agência de notícias sul-coreana Yonhap na segunda-feira (13), citando a mídia estatal. "O desenvolvimento de um míssil de cruzeiro de longo alcance, arma estratégica de grande importância [...] foi impulsionada graças ao desenvolvimento científico e o processo do desenvolvimento confiável do sistema de armas nos últimos dois anos", informou a Agência de Notícias Central Coreana (KCNA). Os testes do novo míssil foram realizados no sábado (11) e domingo (12), conforme a KCNA. O míssil de cruzeiro de longo alcance voou 1.500 quilômetros antes de atingir o alvo. A KCNA disse que o teste foi bem-sucedido e resultou de dois anos de preparação e de estudos. "Testes detalhados de partes de mísseis, testes de empuxo do motor no solo, vários testes de voo, testes de controle e orientação, testes de potência de ogiva, etc. foram realizados com sucesso", afirmou a agência. Além disso, os testes foram observados por personalidades oficiais sêniores da Coreia do Norte. Enquanto isso, a mídia japonesa NHK disse, citando fontes militares, que com tal alcance, o novo tipo de míssil parece ser capaz de alcançar Tóquio. Entretanto, durante os testes, o míssil não atingiu o espaço aéreo ou águas territoriais do Japão, nem entrou na sua zona econômica exclusiva, segundo a NHK.

    Testes do novo míssil de cruzeiro de longo alcance na Coreia do Norte em 11 e 12 de setembro, na foto divulgada pela KCNA
    © AFP 2021 / KCNA VIA KNS
    Testes do novo míssil de cruzeiro de longo alcance na Coreia do Norte em 11 e 12 de setembro, na foto divulgada pela KCNA

    Presidente da Argentina admite derrota da coalizão Frente de Todos nas eleições primárias

    O presidente argentino, Alberto Fernández, reconheceu a derrota da coalizão governamental Frente de Todos nas eleições primárias que ocorreram no domingo (12) em todo o país e levaram à vitória do principal bloco opositor Juntos pela Mudança. "Evidentemente, há algo que não teremos feito bem para que as pessoas não nos acompanhem como esperávamos", admitiu ele, acompanhado pela vice-presidente, Cristina Fernández de Kirchner, e outros dirigentes da coalizão. Com mais de 93% dos votos contabilizados, a coalizão governista conseguiu apenas 29,6% dos votos a nível nacional, enquanto o Juntos pela Mudança alcançou 40,7% dos votos. A Frente de Todos conseguiu se impor apenas em seis das 24 jurisdições do país. Alberto Fernández admitiu que na sua gestão houve "reclamações e erros cometidos que não podem voltar a repetir-se". Em um breve discurso, o presidente também destacou que tem pela frente ainda dois anos de governo. "Nada mais quero que terminar este mandato sem pobres e com gente com trabalho", ressaltou ele antes de felicitar a oposição pelos resultados. As eleições primárias são uma antevisão do que será decidido nas legislativas de novembro, quando serão renovados um terço dos assentos do Senado e metade dos da Câmara dos Deputados.

    Presidente da Argentina, Alberto Fernández, após votação nas eleições primárias em um posto em Buenos Aires, Argentina, 12 de setembro de 2021
    © AP Photo / Marcos Brindicci
    Presidente da Argentina, Alberto Fernández, após votação nas eleições primárias em um posto em Buenos Aires, Argentina, 12 de setembro de 2021

    AIEA saúda acordo com Irã sobre vigilância nuclear

    O diretor-geral do órgão de vigilância nuclear da ONU, Rafael Grossi, saudou o acordo celebrado com o Irã no domingo (12) sobre o acesso ao equipamento de vigilância (câmeras de vídeo) nas instalações nucleares iranianas, dizendo que a decisão facilitava as conversações diplomáticas em curso. O acordo entre o Irã e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) alivia um ponto difícil nas negociações bloqueadas para ressuscitar o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês). Embora salientando que o acordo é "uma medida temporária", o diretor-geral disse aos jornalistas, após sua visita a Teerã, que "a questão mais urgente" tinha sido solucionada pelo acordo, que "daria tempo para a diplomacia". Em um comunicado conjunto desta segunda-feira (13), Grossi e o chefe da Organização de Energia Atômica do Irã (OEAI), Mohammad Eslami, saudaram o "espírito de cooperação e confiança mútua", embora salientando que a vigilância era uma questão a tratar "exclusivamente de forma técnica". O acordo diz respeito aos limites impostos pelo Irã à capacidade da AIEA de controlar várias de suas instalações nucleares. Grossi disse que o acordo significa que a organização será capaz "de obter informações necessárias para manter a continuidade do conhecimento" do programa nuclear do Irã. Recentemente, o presidente Joe Biden indicou que quer retornar ao acordo, abandonado pelo seu predecessor Donald Trump em 2018, mas sua administração expressou impaciência por as negociações estarem paralisadas. 

    Mais:

    EUA testam com sucesso novo interceptador de mísseis intercontinentais
    Coreia do Norte testa 'com sucesso' lançamento de novo míssil de longo alcance, diz mídia
    China usará tecnologia blockchain para realizar plano piloto de comércio de energia verde
    Tags:
    Brasil, Jair Bolsonaro, indígenas, Parlamento Europeu, míssil de cruzeiro, Coreia do Norte, Pfizer, vacina, DF
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar