08:53 18 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    0 170
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil acompanha as notícias mais relevantes desta segunda-feira (23), marcada pelo comunicado dos líderes do G20, pela reunião do governo brasileiro com laboratórios de cinco vacinas, pelo possível descarte de quase sete milhões de testes para COVID-19 no Brasil e pelo anúncio do início da vacinação nos EUA.

    Líderes do G20 querem era pós-COVID-19 inclusiva, sustentável e equilibrada

    Os líderes do G20 se reuniram por videoconferência no sábado (21) e domingo (22) sob a presidência da Arábia Saudita para discutir os problemas mais relevantes do mundo. No encerramento da cúpula, eles prepararam uma declaração com os pontos mais importantes para o desenvolvimento no mundo pós-COVID-19. Primeiro, os líderes dos países do G20 reconheceram a necessidade de reformar organizações internacionais como a Organização Mundial do Comércio (OMC). Além disso, o G20 pediu ao Fundo Monetário Internacional que explore mecanismos adicionais para fornecer apoio às economias de seus países-membros em meio à crise. As mudanças climáticas também foram objeto de atenção do grupo, que reafirma o comprometimento com um futuro mais sustentável. Em relação à vacina contra a COVID-19, todos se comprometeram com uma distribuição equitativa e justa.

    Líderes reunidos durante conferência do G20, realizada via videoconferência sob a presidência da Arábia Saudita
    © Foto / Agência Brasil / Marcos Corrêa / PR
    Líderes reunidos durante conferência do G20, realizada via videoconferência sob a presidência da Arábia Saudita

    Governo brasileiro se reunirá com 5 laboratórios fabricantes de vacinas contra COVID-19

    O Ministério da Saúde do Brasil informou neste domingo (22) que vai se reunir nesta semana com cinco laboratórios fabricantes de vacinas contra a COVID-19 para avaliar a possibilidade de sua aquisição no futuro. Entre as empresas selecionadas está o Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya, da Rússia, a Pfizer/BionTech (EUA/Alemanha), a Janssen (EUA), a Moderna (EUA) e a Covaxin (Índia). Já a farmacêutica chinesa Sinovac, responsável pelo desenvolvimento da CoronaVac - que possui uma parceria com o Instituto Butantan e o governo do estado de São Paulo -, não está entre as selecionadas pelo ministério.

    Palavra COVID-19 refletida em uma agulha de seringa
    © REUTERS / Dado Ruvic
    Palavra COVID-19 refletida em uma agulha de seringa

    Governo federal pode descartar 6,8 milhões de testes perto da validade

    O governo federal pode descartar 6,86 milhões de testes para COVID-19 comprados pelo Ministério da Saúde, por estarem próximos de perder a validade entre dezembro deste ano e janeiro de 2021. Até hoje, estes testes não foram distribuídos na rede pública. Ao todo, a Saúde investiu R$ 764,5 milhões em testes, enquanto os testes perto da validade custaram R$ 290 milhões. A falta de capacidade e de liderança do ministério neste processo pode "desperdiçar" não apenas dinheiro como também os testes, que poderiam ser utilizados na prevenção contra a COVID-19.

    Tubos de ensaio para testes de COVID-19
    © REUTERS / Adrees Latif
    Tubos de ensaio para testes de COVID-19

    Vacina da AstraZeneca mostra menor eficácia que outras vacinas

    A vacina da AstraZeneca, cuja eficácia foi comunicada na segunda-feira (23), também pertence à classe de vacinas baseadas em vetores adenovirais, mas a empresa britânica usa adenovírus de chimpanzé para construir seus vetores. O indicador médio de eficácia da vacina para COVID-19 da AstraZeneca é de 70%, inferior ao das outras três vacinas candidatas, a norte-americana da Pfizer, a russa Sputnik V e a vacina de outra empresa farmacêutica americana, a Moderna. Assim, a vacina da AstraZeneca é a menos eficaz entre as quatro vacinas que reportaram sua eficácia neste mês. Foram avaliados dois regimes diferentes de dosagem, ambos demonstrando eficácia mas com um deles apresentando um melhor perfil. Um regime de dosagem (n=2,741) mostrou uma eficácia de 90% quando [a vacina] AZD1222 foi administrada em meia dose, seguida pela dose completa um mês depois. O outro regime de dosagem (n=8,895) mostrou a eficácia de 62%, quando administrado em duas doses completas com pelo menos um mês de intervalo. A análise combinada dos dois regimes de dosagem (n=11,636) resultou em 70% de eficácia média. Todos os resultados foram estatisticamente significativos (p<=0.0001).

    Vacina AstraZeneca
    © REUTERS / Dado Ruvic
    Vacina AstraZeneca

    EUA pretendem iniciar vacinação contra COVID-19 em dezembro

    O chefe do programa de vacinas do governo dos EUA, dr. Moncef Slaouli, disse que a população norte-americana pode receber a vacina contra a COVID-19 a partir de 11 de dezembro. Em 10 de dezembro, os consultores da FDA (Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA) se reunirão para discutir a autorização de vacinação em massa. A vacina deve ser distribuída com base na população de cada estado dos EUA, sendo que os profissionais da saúde, trabalhadores da linha de frente e idosos terão prioridade na vacinação.

    Voluntário sendo vacinado contra COVID-19
    © REUTERS / Pfizer
    Voluntário sendo vacinado contra COVID-19

    Cerca de 650 corpos de vítimas da pandemia estão em caminhões refrigerados em Nova York

    Os corpos de cerca de 650 nova-iorquinos que morreram de COVID-19 ainda estão sendo armazenados em caminhões refrigerados na orla marítima do Brooklyn. O The Wall Street Journal publicou neste domingo (22) que o Gabinete do Médico Legista-Chefe de Nova York (OCME, na sigla em inglês) informou que muitos dos corpos são de pessoas cujas famílias não puderam ser localizadas ou que não têm condições de pagar pelos enterros de seus parentes. Um porta-voz do OCME relatou ao jornal que o necrotério de emergência montado em abril no cais da rua 39, no bairro de Sunset Park no Brooklyn, permanecerá aberto até que a pandemia do novo coronavírus seja declarada encerrada. Segundo o mapa elaborado pela Universidade Johns Hopkins, os Estados Unidos têm mais de 256.700 mortes pelo novo coronavírus registradas, o maior número de todos os países do mundo. O estado de Nova York sozinho confirmou mais de 34.300 mortes relacionadas ao vírus SARS-CoV-2.

    Refrigeradores móveis com corpos de falecidos durante a pandemia, no bairro de Brooklyn, em Nova York, tendo como fundo a estátua da Liberdade
    © Sputnik / Brian Smith
    Refrigeradores móveis com corpos de falecidos durante a pandemia, no bairro de Brooklyn, em Nova York, tendo como fundo a estátua da Liberdade

    Mais:

    'Acordo de Paris era para destruir a economia norte-americana', diz Trump no G20
    Educação à distância deve ser realidade ainda por bastante tempo, diz ministro saudita no G20
    G20: Brasil é vítima de ataques injustificados de nações menos sustentáveis, diz Bolsonaro
    Tags:
    Brasil, vacina, vacina, vacinação, EUA, Rússia, G20, Cúpula do G20, corpos, vítimas, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar