21:06 05 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    0 172
    Nos siga no

    Em comunicado de encerramento das atividades de 2020, líderes do G20 apoiam congelamento de pagamento de serviços de dívida para países pobres, acesso equitativo às vacinas contra a COVID-19 e reforma da Organização Mundial do Comércio.

    Os líderes do G20 reconheceram a necessidade de reformar organizações internacionais como a Organização Mundial do Comércio (OMC), em comunicado adotado neste domingo (22), no encerramento da cúpula de líderes do grupo, realizada por videoconferência sob a presidência da Arábia Saudita.

    A declaração afirma que a crise econômica criada pela pandemia de COVID-19 faz com que o sistema multilateral de comércio seja mais importante do que nunca.

    "Reconhecemos a contribuição da Iniciativa de Riad sobre o Futuro da Organização Mundial do Comércio ", versa o comunicado. "Demonstramos nosso apoio político à necessidade de reforma da OMC."

    O G20 pediu ainda ao Fundo Monetário Internacional que explore mecanismos adicionais para fornecer apoio às economias de seus países membros em meio à crise.

    Líderes nacionais participam de conferência do G20, realizada por videoconferência sob presidência da Arábia Saudita, 21 de novembro de 2020
    © Sputnik / Aleksei Nikolsky
    Líderes nacionais participam de conferência do G20, realizada por videoconferência sob presidência da Arábia Saudita, 21 de novembro de 2020

    O documento ainda cita a necessidade de apoio às economias do continente africano e adianta que o tema do perdão de dívidas será central para o trabalho do grupo em 2021.

    "Continuamos determinados a apoiar todos os países em desenvolvimento e menos desenvolvidos, conforme enfrentam essa crise da COVID-19, que combina saúde, economia e efeitos sociais", diz o documento, que cita os países africanos e pequenas ilhas especificamente.

    Os líderes adotaram a suspensão de pagamentos de serviços das dívidas até junho de 2021, a fim de garantir que os países possam focar seus esforços nos gastos com o combate à COVID-19.

    "Estamos empenhados em implementar a Iniciativa de Suspensão de Serviços da Dívida (DSSI, na sigla em inglês), inclusive com a sua extensão até junho de 2021", diz a declaração.

    Graças à iniciativa, 46 países puderam suspender temporariamente o pagamento de US$ 5,7 bilhões (cerca de R$ 30 bilhões) em serviços de suas dívidas no ano de 2020. Cerca de 73 países eram elegíveis para participar da DSSI, que pode gerar economias de até US$ 12 bilhões (cerca de R$ 64 bilhões).

    Líderes sauditas acompanham discurso do Rei Salman bin Abdulaziz Al Saud durante encontro de líderes do G20, realizado por videoconferência a partir de Riad, Arábia Saudita, 21 de novembro de 2020
    © Foto / Serviço de Imprensa G20 2020
    Líderes sauditas acompanham discurso do Rei Salman bin Abdulaziz Al Saud durante encontro de líderes do G20, realizado por videoconferência a partir de Riad, Arábia Saudita, 21 de novembro de 2020

    As mudanças climáticas também foram objeto de atenção do grupo, que reafirma o comprometimento com um futuro mais sustentável.

    Vacinas contra COVID-19 

    Os líderes ainda se comprometeram com a distribuição equitativa e justa de vacinas contra a COVID-19.

    "Mobilizamos recursos para lidar com as necessidades imediatas de financiamento na saúde global, apoiando a pesquisa, desenvolvimento, produção e distribuição de [...] testes, tratamentos e vacinas contra a COVID-19", versa a declaração.

    "Não vamos poupar esforços para garantir um acesso fácil e equitativo a todas as pessoas."

    A declaração, no entanto, não traz detalhes quanto ao volume de financiamento que os países do G20 estariam prontos para alocar para inciativas ligadas à distribuição de vacinas.

    © Sputnik / Aleksei Maishev
    Agente de saúde cuida de paciente na Unidade de Terapia Intensiva do hospital Filatov de Moscou, na Rússia, 21 de maio de 2020

    O grupo reafirmou seu comprometimento com iniciativas multilaterais de combate à COVID-19, como a Aliança COVAX, coordenada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e a iniciativa "Acelerador de Acesso aos Instrumentos da COVID" (ACT-Accelerator).

    No final da conferência de líderes do G20, o rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz Al Saud, passou a presidência do grupo a seu colega italiano, o primeiro-ministro Giuseppe Conte.

    Neste fim de semana, a Arábia Saudita promoveu a Conferência de Líderes do G20, conduzida por videoconferência a partir de Riad. Neste domingo (22), os líderes se reuniram pela segunda vez para o encerramento das atividades do grupo em 2020.

    Mais:

    Putin no G20: é preciso que abandonemos protecionismo econômico e prática de imposição de sanções
    'Enxergo todos com as mesmas cores: verde e amarelo', diz Bolsonaro em cúpula do G20
    Educação à distância deve ser realidade ainda por bastante tempo, diz ministro saudita no G20
    'Acordo de Paris era para destruir a economia norte-americana', diz Trump no G20
    Tags:
    dívida externa, pandemia, COVID-19, Crise, Arábia Saudita, líderes mundiais, economia, G20
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar