00:51 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    41743
    Nos siga no

    Não obstante os ataques à companhia russa Gazprom, Berlim tem defendido repetidamente o projeto de energia conjunto dos gigantes europeus tanto dentro da UE, como fora dela.

    A chanceler alemã, Angela Merkel, no entanto, teve que negociar um acordo separado com os EUA para evitar que Washington aplicasse novas sanções ao gasoduto.

    O ex-presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, lamentou a conclusão do gasoduto Nord Stream 2 (Corrente do Norte 2), anunciada no início do dia (10), chamando-o de "erro imperdoável". O político polonês alegou que a conclusão do projeto só se tornou possível graças aos "interesses egoístas da Alemanha".

    "Acredito que este é um erro, um erro imperdoável, pois tem consequências muito graves", advertiu Tusk.

    Tusk também deixou escapar o fato de que Merkel, supostamente, teria admitido em conversas privadas que sabia que o gasoduto em causa era "ruim para a UE", mas ainda assim insistiu em sua conclusão. 

    Os EUA compartilharam a mesma posição, impondo-lhe sanções em uma tentativa mal sucedida de deter sua construção. 

    Por sua vez, o Kremlin vem garantindo, ao longo dos anos, que o Nord Stream 2 é um projeto puramente econômico, denunciado tentativas de politização de sua construção. Moscou também observou que os contratos de trânsito de gás com a Ucrânia, que tanto preocupam Washington, serão renovados enquanto permanecerem economicamente viáveis e enquanto a UE continuar comprando gás russo.

    Mais:

    MRE da Rússia: intervenção dos EUA levou a surgimento de terroristas no Oriente Médio
    Exército da UE: fim da OTAN ou aventura solitária com pouca chance de sucesso?
    Novo caça russo Checkmate 'é maior ameaça aos interesses ocidentais' do que J-10C chinês, diz portal
    Tags:
    Nord Stream 2, UE, Rússia, EUA, erro, Donald Tusk, Conselho Europeu, Angela Merkel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar