22:37 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    122118
    Nos siga no

    Juízes internacionais deram seu veredicto sobre recurso de apelação apresentado pelo ex-líder militar sérvio da Bósnia Ratko Mladic, condenado à prisão perpétua por genocídio, crimes contra a Humanidade e crimes de guerra cometidos durante a Guerra da Bósnia (1992-1995).

    Os juízes de crimes de guerra da Organização das Nações Unidas (ONU) sustentaram nesta terça-feira (8) uma condenação de genocídio e prisão perpétua contra Ratko Mladic, rejeitando todos os fundamentos de seu recurso contra o veredicto de um tribunal inferior.

    Atualmente com 78 anos, Mladic liderou as forças sérvias da Bósnia durante a Guerra da Bósnia e foi condenado em 2017 sob a acusação de genocídio, crimes contra a Humanidade e crimes de guerra, incluindo o terrorismo da população civil da capital da Bósnia, Sarajevo, durante um cerco de 43 meses, e a morte de mais de 8.000 homens e meninos muçulmanos na cidade de Srebrenica em 1995.

    Mladic havia sido condenado em julgamento e condenado a prisão perpétua, mas apelou do veredicto e da sentença.

    A câmara de apelações "nega provimento ao recurso de Mladic em sua totalidade [...] nega provimento ao recurso da promotoria em sua totalidade [...] afirma a sentença de prisão perpétua imposta a Mladic pela câmara de julgamento", lê-se em um resumo escrito da sentença de apelação citado pela agência Reuters.

    Este foi o último processo de genocídio na Bósnia no Tribunal das Nações Unidas em Haia para a ex-Iugoslávia.

    Mais:

    Rússia irá enviar ajuda à Bósnia e Herzegovina para combate ao coronavírus
    Placa rara de igreja do tempo românico é encontrada na Bósnia e Herzegovina (FOTO)
    Incêndio provoca fortes explosões em fábrica de munições na Sérvia (VÍDEOS, FOTOS)
    Rússia entrega à Sérvia 19 tanques e 20 veículos blindados no âmbito do acordo de cooperação militar
    Tags:
    Tribunal de Haia, crimes contra a humanidade, Rakto Mladic, ONU, Sérvia, Guerra da Bósnia, Bósnia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar