16:30 06 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    262166
    Nos siga no

    Navios de guerra da Marinha Real Britânica deixarão o Mediterrâneo e rumarão ao mar Negro, em meio a crescentes tensões entre a Ucrânia e a Rússia.

    Segundo indica o The Sunday Times, este ato por parte do Reino Unido é uma demonstração de solidariedade com Kiev e com os aliados da OTAN presentes na região, após o presidente dos EUA, Joe Biden, ter cancelado o envio de dois navios de guerra americanos para o mar Negro, temendo escalar ainda mais as tensões com Moscou.

    De acordo com a mídia, cuja informação teria sido obtida de altas patentes da Marinha britânica, um destroíer Type 45, armado com mísseis antiaéreos, e uma fragata antissubmarino Type 23 deixarão o grupo do porta-aviões HMS Queen Elizabeth da Marinha Real, que se encontra no Mediterrâneo, e se dirigirão através do Bósforo para o mar Negro.

    Um porta-voz do Ministério da Defesa britânico relatou ao jornal que o Reino Unido e seus aliados "seguirão apoiando a soberania e a integridade territorial da Ucrânia", e pedem a Moscou que diminua as tensões na fronteira.

    Os presidentes Biden e Putin conversaram na terça-feira passada (13), tendo o primeiro exposto suas preocupações com a presença de forças russas na fronteira com a Ucrânia. Contudo, a Rússia afirma que a presença das mesmas é nada mais que uma resposta à proximidade das forças da OTAN na área, de modo a garantir a segurança nacional da Federação da Rússia.

    Em 14 de abril, o Departamento de Navegação e Oceanografia do Ministério da Defesa da Rússia emitiu um comunicado dizendo que, de 24 de abril até 31 de outubro, a passagem por águas territoriais russas em três zonas do mar Negro estaria interditada a embarcações militares estrangeiras. Perante tal comunicado, o ministro das Relações Exteriores ucraniano protestou contra a decisão, afirmando que esta seria uma violação das normas e princípios da lei internacional, uma vez que a Ucrânia tem o direito de navegar livremente nessas áreas do mar Negro.

    Na quinta-feira (15), o Ministério das Relações Exteriores russo declarou que os Estados-membros da OTAN, com as suas ações provocativas, agravam a situação em torno da Ucrânia, país que não deveria fazer parte da área de responsabilidade da aliança atlântica, alimentando o clima para "uma espécie de vingança militar".

    Mais:

    Cônsul da Ucrânia é detido na Rússia ao receber informação secreta
    Para presidente ucraniano, reunião entre EUA e Rússia 'não será significativa' sem a Ucrânia
    EUA e OTAN estão agravando situação em torno da Ucrânia com ações provocativas, diz MRE russo
    Tags:
    OTAN, Rússia, Ucrânia, Mar Negro, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar