02:55 09 Março 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Mundo vs. COVID-19 no final de janeiro de 2021 (110)
    453
    Nos siga no

    A União Europeia (UE) está pressionando as empresas que desenvolvem vacinas contra a COVID-19 a cumprirem seus contratos assinados com a Europa. A subida de tom contra as farmacêuticas veio acompanhada da ameaça de barrar a exportação de vacinas para outros países.

    "A Europa investiu bilhões para desenvolver as primeiras vacinas e criar um verdadeiro bem comum global. Agora as empresas devem cumprir suas promessas. Elas precisam honrar suas obrigações", disse nesta terça-feira (26) a presidente da Comissão Europeia Ursula von der Leyen, em vídeo, no Fórum Econômico de Davos.

    O endurecimento de posição veio dias depois de a UE acusar a AstraZeneca de não garantir a entrega das vacinas contra o novo coronavírus sem uma explicação válida. A farmacêutica alega que os atrasos foram causados por queda no ritmo da produção.

    O bloco também já expressou descontentamento com os atrasos na entrega da vacina da Pfizer/BioNTech. Tanto as vacinas da Pfizer/BioNTech quanto as da AstraZeneca são produzidas na Europa.

    Frascos com adesivo dizendo COVID-19 / Vacina contra coronavírus / Somente injeção e uma seringa perto do logotipo da AstraZeneca, 31 de outubro de 2020
    © REUTERS / Dado Ruvic
    Frascos com adesivo dizendo "COVID-19 / Vacina contra coronavírus / Somente injeção" e uma seringa perto do logotipo da AstraZeneca, 31 de outubro de 2020

    A UE acertou a compra de 300 milhões de doses da AstraZeneca, com a opção de estender o acordo para mais 100 milhões de injeções extras. No final da semana passada, no entanto, a farmacêutica disse estar planejando reduzir o primeiro contingente de 80 milhões para 31 milhões.

    Depois de reuniões e telefonemas, o nível de desconfiança da UE com a empresa só aumentou. "Vemos que as doses estão sendo distribuídas em outros lugares e sabemos que assinamos um acordo", disse o porta-voz da Comissão Europeia, Eric Mamer, conforme informado pela AP.

    Diante da situação, a UE estuda impor um sistema de controles rígidos de exportação de todas as vacinas contra o novo coronavírus produzidas dentro do bloco. Os críticos da medida dizem que isso pode levar à proibição das exportações enquanto a UE não receber sua cota total. A Comissão Europeia afirma que, com a medida, basicamente monitoraria se as empresas respeitam seus compromissos com o bloco europeu.

    Enfermeiras portuguesas segurando caixas de Styrofoam para recolher doses da vacina da Pfizer/BioNTech contra COVID-19 para serem distribuídas nos hospitais de Lisboa
    © AP Photo / Armando Franca
    Enfermeiras portuguesas segurando caixas de Styrofoam para recolher doses da vacina da Pfizer/BioNTech contra COVID-19 para serem distribuídas nos hospitais de Lisboa

    Também nesta terça-feira (26), o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, criticou os países ricos de estarem adquirindo vacinas em excesso – e deixando os países em desenvolvimento e pobre sem estoque. "Não estaremos todos seguros se alguns países estiverem vacinando seu povo e outros não", disse Ramaphosa.

    Tema:
    Mundo vs. COVID-19 no final de janeiro de 2021 (110)

    Mais:

    União Europeia deixa de reconhecer Guaidó como presidente interino da Venezuela
    União Europeia busca desafiar domínio do dólar após saída de Trump, diz FT
    União Europeia exigirá testes negativos de COVID-19 para viajantes de fora do bloco
    União Europeia quer impor quarentena de 14 dias para viajantes que chegarem do Brasil
    Tags:
    exportações, exportação, Pfizer, vacina, novo coronavírus, pandemia, COVID-19, Europa, União Europeia, Ursula von der Leyen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar