00:38 16 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    465
    Nos siga no

    Milhares protestaram em Paris neste sábado (5) contra a violência policial e os planos da política de segurança do presidente Emmanuel Macron, acusado de cercear as liberdades civis.

    Paris, mais uma vez, foi palco de confrontos entre manifestantes contrários às políticas de segurança e a polícia local.

    O efetivo de segurança lançou gás lacrimogêneo e intercedeu os manifestantes depois que fogos de artifício foram lançados. Jovens encapuzados quebraram a vitrine de uma loja. Segundo a polícia, 22 pessoas foram presas.

    Os manifestantes marcharam pela capital francesa sob a estreita vigilância da polícia de choque, agitando faixas que diziam "França, terra dos direitos da polícia" e "retirada da lei de segurança".

    Em meio ao contexto dos protestos está o espancamento de um homem negro, o produtor musical Michel Zecler, por vários policiais no final de novembro. Esse incidente veio à tona depois que imagens de telefones celulares circularam on-line.

    ​Os críticos disseram que o projeto original tornaria mais difícil responsabilizar a polícia em um país onde alguns grupos de direitos humanos alegam racismo sistêmico dentro órgãos de aplicação da lei. Muitos oponentes do projeto de lei dizem que o texto vai longe demais, mesmo reescrito.

    A política na França teve uma reviravolta no início desta semana. O partido de Macron disse que iria reescrever parte do projeto de lei de segurança que restringe o direito de circular filmagens de policiais. As medidas foram anunciadas no dia 30 de novembro, em função da forte reação popular.

    Mais:

    Quase 100 policiais ficam feridos durante protestos na França, diz governo francês (VÍDEO)
    Macron espera vacinação massiva contra a COVID-19 na França a partir de abril de 2021
    Presidente da Turquia diz esperar que França se livre do 'problema' de Macron o mais rápido possível
    Tags:
    manifestação, polícia, segurança, lei, protestos, Paris, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar