23:14 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    COVID-19 no mundo no fim de novembro (67)
    0 11
    Nos siga no

    O presidente da França, Emmanuel Macron, disse nesta terça-feira (24) que o país tinha superado a segunda onda da COVID-19 e, a partir de 28 de novembro, o comércio e serviços poderão reabrir. 

    Ainda sim, será preciso respeitar rígidos protocolos de segurança para evitar uma alta dos casos do novo coronavírus. 

    "Superamos a segunda onda da epidemia", disse o presidente em discurso para a nação. 

    Segundo o chefe de Estado, os casos diários diminuíram consideravelmente, de mais de 60 mil para cerca de 20 mil. 

    Macron afirmou também que medidas do regime de confinamento continuarão vigente, mas os moradores da França poderão deixar suas casas em um raio de 20 quilômetros por um período de três horas. 

    Segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins, a França registra mais de 2,2 milhões de casos e 50 mil mortes pela COVID-19. Outros países duramente atingidos pela pandemia na Europa são Itália, Espanha e Reino Unido.

    Nova flexibilização pode ser adotada em breve

    O governo federal tinha implementado uma quarentena nacional desde 30 de outubro, após a segunda onda ser detectada. Para sair de casa, era preciso de um passe, que valia apenas para ir ao trabalho, ao hospital, a mercados, realizar atividade física nas proximidades do lar ou ajudar parentes próximos. 

    Segundo Macron, as restrições que serão mantidas poderão ser retiradas em 15 de dezembro. 

    "Se no dia 15 de dezembro nos aproximarmos da cifra de 5.000 casos por dia e entre 2.500 e 3.000 pessoas estiverem em tratamento intensivo, podemos definir um novo rumo. Neste caso, o regime de autoisolamento pode ser cancelado, e poderemos nos deslocar novamente sem autorização, inclusive entre as regiões e para passar o Natal com a família", disse o presidente.
    Tema:
    COVID-19 no mundo no fim de novembro (67)

    Mais:

    Segunda onda do coronavírus emerge em várias zonas dos EUA
    Com taxa de transmissão em alta, Brasil ultrapassa 170 mil mortes pela COVID-19
    'Pergunta para o vírus', responde Bolsonaro sobre prorrogação de auxílio emergencial
    Tags:
    novo coronavírus, pandemia, COVID-19, Europa, Emmanuel Macron, França, lockdown
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar