10:29 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    0 93
    Nos siga no

    Um homem armado está mantendo ao menos nove pessoas reféns em um escritório de microfinanciamento em Tbilisi, capital da Geórgia, ao passo que fez exigências através de vídeo.

    De acordo com reportes, o nome do homem seria Levan Zurabishvili, e ele teria apresentado sinais de embriaguez.

    Ao falar diante de uma câmera, o homem expressou suas exigências:

    "Em primeiro lugar – que se reúnam no parlamento todos os parlamentares da Geórgia que estavam lá antes das eleições e também os que tomam parte nas eleições. Em segundo lugar – que façam uma lei que proíba em escala de todo o país os jogos de azar. Independente se eles são on-line ou em qualquer outro lugar."

    O vídeo com as exigências do homem foi divulgado pela Sputnik Geórgia, como visto abaixo:

    De acordo com o canal Rustavi 2, as ruas ao redor do prédio, onde estão sendo mantidos os reféns, foram bloqueadas.

    A Sputnik Geórgia reportou que a polícia negociou a libertação de dois reféns. Contudo, outras pessoas permanecem no interior do prédio da empresa.

    "Algumas pessoas afirmaram terem visto cinco pessoas entrando no prédio com granadas, e dois reféns foram libertados", informa a emissora.

    ​No centro de Tbilisi, um homem armado invadiu o prédio de uma empresa de microfinanciamento. Testemunhas afirmam que há cinco homens com granadas. Um vídeo do interior do prédio foi publicado nas redes sociais. 

    De acordo com o Ministério do Interior da Geórgia, nove reféns permanecem no prédio da organização de microfinanciamento em Tbilisi.

    Mais:

    Polícia Federal prende autor de suposto atentado contra prédio do Ministério da Justiça
    Milícia nos EUA? FBI prende 6 pessoas por planejar o sequestro da governadora de Michigan
    Grupo de 10 homens armados sequestra trem da Supervia após operação da PM no Rio (FOTO)
    Tags:
    criminosos, prédio, reféns, Geórgia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar