07:57 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    2151
    Nos siga no

    O presidente da Bielorrússia Aleksandr Lukashenko disse nesta sexta-feira (13) que não tem nada a ganhar com a morte de Roman Bondarenko, um opositor do governo local.

    "Não podemos politizar mortes. [...] Ninguém precisa do sacrifício da vida das pessoas. Eu não preciso, e eles não precisam", disse Lukashenko, citado pela agência de notícias Belta.

    Bondarenko morreu nesta quinta-feira (12). Segundo o site bielorrusso tut.by, o opositor foi levado ferido a um hospital após brigas que eclodiram nesta quarta-feira (11), em Minsk. Segundo o mesmo site, as brigas começaram depois que pessoas usando "roupas de civis e máscara" começaram a retirar faixas da oposição em uma praça da capital da Bielorrússia.

    "Fui informado ontem, quando ele ainda estava vivo. Então começaram a presumir que ele havia sido espancado. Não direi os nomes, mas começaram a insinuar que pessoas próximas do presidente seriam culpadas. Já encontraram o culpado. Ninguém precisa desse tumulto", afirmou o presidente bielorrusso.

    Roman Bondarenko, que tinha 31 anos e era artista e ex-militar, virou um símbolo da oposição, que acusa a polícia de tê-lo assassinado, segundo a Reuters. Milhares de pessoas saíram às ruas de Minsk para condenar a morte do artista e homenageá-lo com flores e velas.    

    Milhares de pessoas homenagearam Roman Bondarenko com velas e flores em Minsk
    © REUTERS / BelaPAN
    Milhares de pessoas homenagearam Roman Bondarenko com velas e flores em Minsk

    Desde o dia 9 de agosto, quando Lukashenko foi anunciado vencedor das eleições presidenciais, a Bielorrússia é palco de constantes manifestações, que têm sido reprimidas pela polícia local. A oposição alega fraude nas eleições e se recusa a aceitar a reeleição de Lukashenko para o sexto mandato.

    Manifestante durante protestos contra a posse de Aleksandr Lukashenko como presidente da Bielorrússia, em Minsk, 23 de setembro de 2020
    © REUTERS / Tut.By
    Manifestante durante protestos contra a posse de Aleksandr Lukashenko como presidente da Bielorrússia, em Minsk, 23 de setembro de 2020

    Mais:

    Bielorrússia e Gazprom iniciam negociações sobre abastecimento de gás a partir de 2021
    Mais de 500 pessoas são detidas durante ações de protesto na Bielorrússia no domingo (FOTOS)
    Bielorrússia detém grupo armado próximo de sua fronteira com Ucrânia
    União Europeia impõe sanções a Lukashenko e mais 14 funcionários da Bielorrússia
    Tags:
    Minsk, protesto, Bielorússia, Alexander Lukashenko
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar