21:52 19 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    13313
    Nos siga no

    Os Estados Unidos declararam nesta quarta-feira (23) que não consideravam Aleksandr Lukashenko o presidente legítimo da Bielorrússia depois dele tomar posse em meio a eleições muito contestadas.

    O Departamento de Estado dos EUA reiterou que não acredita que as eleições de 9 de agosto na Bielorrússia foram livres ou justas.

    "Os resultados anunciados foram fraudulentos e não transmitiam legitimidade", disse um porta-voz do Departamento de Estado. "Os Estados Unidos não podem considerar Aleksandr Lukashenko o líder legitimamente eleito da Bielorrússia".

    Lukashenko, um aliado do presidente russo Vladimir Putin, reivindicou um sexto mandato, apesar das amplas alegações de fraude, com a polícia desencadeando uma repressão aos protestos em massa.

    Em Minks, manifestantes caminham durante protesto contra a reeleição do presidente do país Aleksandr Lukashenko, na Bielorrússia, em 9 de agosto de 2020.
    © Sputnik / Ilia Pitalev
    Em Minks, manifestantes caminham durante protesto contra a reeleição do presidente do país Aleksandr Lukashenko, na Bielorrússia, em 9 de agosto de 2020.

    Nesta quarta-feira (23), a polícia implantou canhões de água e gás lacrimogêneo para dispersar vários milhares de manifestantes após a notícia da posse secreta de Lukashenko.

    "O caminho a seguir deve ser um diálogo nacional que leve o povo bielorrusso a desfrutar de seu direito de escolher seus líderes em uma eleição livre e justa sob observação independente", explicou o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA.

    "A libertação dos detidos injustamente e o fim da repressão contra os cidadãos que protestam pacificamente é um primeiro passo para um diálogo nacional genuíno", completou.

    Mais:

    Lukashenko diz que talvez tenha passado muito tempo no cargo de presidente
    Lukashenko: protestos na Bielorrússia são gerenciados a partir da Polônia, Letônia e outros países
    Lukashenko: eventos recentes em Minsk mostram que Bielorrússia deve ficar mais perto da Rússia
    Tags:
    Departamento de Estado dos EUA, Estados Unidos, protestos, diplomacia, eleições, Vladimir Putin, Aleksandr Lukashenko, Minsk, Bielorrússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar