12:49 05 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    280
    Nos siga no

    Em Minsk decorreu uma manifestação contra Lukashenko onde a polícia fez detenções devido a sua ilegalidade. Ao mesmo tempo, apoiantes do presidente do país desfilaram na capital do país.

    As forças policiais especiais da Bielorrússia fizeram detenções no sábado (12) durante a Marcha das Mulheres não autorizada no centro de Minsk, informa correspondente da Sputnik.

    Durante o evento várias centenas de mulheres se reuniram na Praça da Liberdade. As forças policiais apelaram para elas deixarem o lugar, mas foram desobedecidas, levando a uma rodada de detenções. Em seguida, à praça chegou uma coluna de veículos de transporte de detidos. A polícia confirmou que estava realizando prisões, prometendo revelar mais tarde o número exato de detenções.

    Ao mesmo tempo, ao longo da avenida da Independência da cidade decorria uma manifestação a favor do presidente em exercício Aleksandr Lukashenko.

    Os manifestantes carregavam bandeiras da Bielorrússia, do Movimento de Libertação Nacional antiocidental e até mesmo da União Soviética, proferindo apoio à unidade e integridade do país, aprovação da política interna e externa do líder nacional e se opondo à reabilitação do fascismo e à divisão na sociedade bielorrussa.

    Alguns dos manifestantes transportavam retratos de Lukashenko e de seus parentes que morreram na Grande Guerra pela Pátria (parte da Segunda Guerra Mundial, compreendida entre 22 de junho de 1941 e 9 de maio de 1945 e limitada às hostilidades entre a União Soviética e a Alemanha nazista e seus aliados).

    Protestos na Bielorrússia

    Os protestos em massa começaram na Bielorrússia em 9 de agosto, logo após as eleições presidenciais. Segundo os resultados oficiais, Lukashenko venceu as eleições com 80,1% dos votos, enquanto sua rival Svetlana Tikhanovskaya obteve 10,12%.

    A oposição contestou os resultados da votação e tomou as ruas do país, exigindo a troca de poder. As manifestações foram marcadas por intensos confrontos com a polícia, que usou gás lacrimogêneo, canhões de água, granadas de efeito moral e balas de borracha para dispersar os manifestantes.

    Segundo o Ministério do Interior, durante os primeiros dias de protestos foram detidas mais de 6.700 pessoas, centenas foram feridas, incluindo pelo menos 130 policiais.

    Mais:

    Polícia dispersa manifestantes em frente à residência do presidente da Bielorrússia
    Presidente bielorrusso ordena acionar 'as medidas mais duras' para proteger integridade do país
    Bielorrússia coloca tropas na fronteira ocidental em prontidão de combate, segundo Lukashenko
    Tags:
    Segunda Guerra Mundial, Grande Guerra Pela Pátria, União Soviética, Aleksandr Lukashenko, Minsk, Bielorrússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar