20:38 31 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    5133
    Nos siga no

    O Parlamento da Bélgica aprovou uma resolução não vinculativa que exorta o governo a liderar o caminho na implementação de "contramedidas" diante dos planos de Israel de prosseguir com a anexação planejada de partes da Cisjordânia.

    A resolução, aprovada nesta sexta-feira (26) com uma maioria esmagadora, insta o governo federal a tomar medidas para impedir a anexação de territórios palestinos. Ela diz que o governo belga deve "desempenhar um papel de liderança" na elaboração de uma lista de "contra-medidas eficazes destinadas a responder proporcionalmente" a Israel, se prosseguir com o plano.

    O documento também pede que medidas punitivas em toda a Europa sejam potencialmente tomadas contra o governo do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu. Se não houver acordo sobre uma resposta no nível europeu, no entanto, a Bélgica deve procurar formar uma "coalizão entre Estados membros com a mesma opinião" para elaborar uma resposta comum, diz a resolução.

    Muitos países da União Europeia (UE) expressaram forte oposição à intenção de Israel de anexar até 30% da Cisjordânia a partir de 1º de julho, mas o bloco precisa de um consenso de todos os 27 membros para impor sanções.

    No mês passado, o ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, disse que estava trabalhando com parceiros da UE em uma possível "represália" contra Israel. Na quarta-feira (24), mais de mil legisladores de 25 países europeus assinaram um comunicado opondo-se a qualquer anexação israelense unilateral da Cisjordânia. No entanto, o Parlamento belga é o primeiro da UE a pedir oficialmente sanções pela anexação planejada.

    Chefe de política externa da UE, Federica Mogherini, e primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu
    © AP Photo
    Chefe de política externa da UE, Federica Mogherini, e primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu

    O ministro das Relações Exteriores da Palestina, Riyad al-Maliki, elogiou a resolução do Parlamento belga, dizendo que chegou em um momento de crescente rejeição internacional dos planos de Israel.

    "Vemos todos os dias indicações de erosão do apoio a Israel e da imunidade que ele desfruta há décadas, apesar de suas contínuas violações", afirmou Al Maliki nesta sexta-feira (26).

    No entanto, o embaixador de Israel na Bélgica, Emmanuel Nahshon, condenou a medida, argumentando que a Bélgica deveria incentivar os palestinos a voltarem às negociações pacíficas em vez de aplicar pressão "indevida" sobre Israel, relatou o jornal Times of Israel.

    Netanyahu prometeu anexar áreas da Cisjordânia, onde mais de 420 mil colonos judeus vivem como parte da iniciativa Visão para a Paz dos EUA, mas a Casa Branca disse na quinta-feira (25) que não havia tomado uma decisão final sobre apoiar totalmente planos.

    A anexação tornaria oficial o Estado de fato nos assentamentos somente para judeus. O plano foi condenado por especialistas em direitos humanos das Nações Unidas, que o chamaram de "ilegal" e "apartheid do século XXI".

    Mais:

    Premiê palestino revela apoio europeu e prevê punições se Israel anexar a Cisjordânia
    Aliado contra o Irã, Emirados Árabes querem que Israel desista de anexar a Cisjordânia
    Anexação da Cisjordânia: uma oportunidade histórica ou um grave erro?
    Tags:
    Benjamin Netanyahu, diplomacia, Estados Unidos, anexação, sanções, União Europeia, Cisjordânia, Palestina, Israel, Europa, Bélgica
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar