22:22 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    621
    Nos siga no

    O Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) pediram nesta sexta-feira aos líderes dos países em desenvolvimento que priorizem o pagamento de pessoal médico, a compra de equipamentos de proteção e outros gastos em saúde em resposta à pandemia da COVID-19.

    Em uma coluna conjunta no jornal britânico Telegraph, os diretores das duas instituições disseram que controlar o novo coronavírus era um pré-requisito para revitalizar a economia global e que era fundamental encontrar o equilíbrio certo ao gastar ajuda emergencial.

    "Nosso apelo conjunto aos formuladores de políticas, especialmente nos mercados emergentes e nas economias em desenvolvimento, é reconhecer que a proteção da saúde pública e o retorno das pessoas ao trabalho andam de mãos dadas", escreveram Kristalina Georgiev, diretora-gerente do FMI, e Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor geral da OMS.

    "Como o financiamento para apoiar orçamentos públicos severamente restritos chega aos países necessitados, nosso pedido conjunto é colocar as despesas de saúde no topo da lista de prioridades", acrescentaram eles.

    Os líderes do FMI e da OMS também enfatizaram sua convocação conjunta com o Banco Mundial (BM) para alívio da dívida dos países mais pobres, uma etapa que ainda não foi apoiada pelas principais economias do Grupo dos 20 (G20).

    Mais de 1 milhão de pessoas foram infectadas pelo novo coronavírus, e mais de 53.000 morreram, segundo os dados mais recentes.

    Georgieva e Tedros afirmaram que os gastos com saúde são críticos para proteger as pessoas contra a pandemia e devem ser combinados com iniciativas para reduzir o desemprego, minimizar as falências e fortalecer as economias devastadas por grandes paralisações.

    Um agente usando macacão de proteção faz um teste rápido para o coronavírus, desenvolvido pela Clínica Universitária de Frankfurt e pela Cruz Vermelha Alemã, em Frankfurt, Alemanha, 31 de março de 2020 (imagem referencial)
    © REUTERS / Kai Pfaffenbach
    Um agente faz um teste rápido para o coronavírus em Frankfurt, Alemanha (imagem referencial).

    Transferências em dinheiro, subsídios salariais, benefícios reforçados de desemprego e outras medidas desse tipo deveriam vir além - e não como um substituto - de gastos com saúde e até campanhas de conscientização pública sobre lavagem de mãos, escreveram.

    Isso foi crítico, dado o estado de despreparo dos sistemas de saúde em muitos países e o fato de que o distanciamento social era impossível em favelas urbanas altamente congestionadas, prosseguiram.

    Na Índia, onde os serviços de saúde são fracos e milhões vivem em condições insalubres e lotadas, os críticos dizem que o fechamento do governo foi mal planejado e as autoridades estão agora lutando para conter suas consequências, em vez de se concentrarem na COVID-19.

    O FMI recebeu pedidos de financiamento emergencial de cerca de US$ 20 bilhões de 85 países sem precedentes e começou a desembolsar os primeiros valores para países como Quirguistão, Honduras e Ruanda.

    O fundo planeja dobrar seus fundos de emergência de US$ 50 bilhões para US$ 100 bilhões, e seus membros agiram para aumentar sua capacidade de empréstimo total de US$ 1 trilhão, escreveram.

    O conselho do BM anunciou na quinta-feira US$ 1,9 bilhão em fundos de emergência para operações de resposta ao novo coronavírus em 25 países em desenvolvimento, com mais da metade da ajuda destinada à Índia.

    Mais:

    'Ele não tem coragem de tirar o ministro', diz Maia sobre possível demissão de Mandetta
    COVID-19: governo volta atrás e diz que caso de janeiro é, na verdade, de março
    Por 'expor' brasileiros à COVID-19, juristas denunciam Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional
    Tags:
    novo coronavírus, COVID-19, saúde, Banco Mundial, FMI, OMS, Brasil, China, Estados Unidos, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar