04:01 31 Março 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    462
    Nos siga no

    A Europa deve formular uma nova política de segurança de longo prazo, seja como parte da OTAN ou independente dela, dada a crescente brecha com os EUA, disse à Sputnik Matthias Platzeck, presidente do Fórum Alemão-Russo e um ex-ministro-presidente do Brandenburgo da Alemanha.

    Platzeck lembrou um discurso de 2011 proferido por Barack Obama, em que o ex-presidente dos EUA afirmou aos legisladores australianos que a política externa dos EUA estava voltando sua atenção para o potencial econômico da região da Ásia-Pacífico. Os comentários do ex-presidente vieram depois que ele anunciou o fim da missão dos EUA no Iraque e o início da retirada de tropas do Afeganistão.

    Quase uma década depois, a atenção do presidente estadunidense Donald Trump para a região Ásia-Pacífico resultou em uma guerra comercial com a China e tentativas de impedir a participação da gigante tecnológica Huawei nas redes 5G.

    Os Estados europeus estão sendo pegos no fogo cruzado e também se tornaram alvo de sanções dos EUA por subsídios da União Europeia (UE) concedidos ao fabricante de aeronaves Airbus ou ao gasoduto Nord Stream 2 (Corrente do Norte 2), ligando a Rússia e a Alemanha.

    "Então, mesmo naquela época, ele [Obama] estava falando sobre a retirada gradual dos EUA dos compromissos no Atlântico Norte. Trump exacerbou ainda mais sua maneira única. E ainda não sabemos o que fazer com essas mudanças, com essa recusa, como tratar estrategicamente esse problema e como viver nos próximos 20 anos", analisou Platzeck.

    Na recente Conferência de Segurança de Munique, o presidente alemão Frank-Walter Steinmeier bateu Washington, acusando o governo Trump de rejeitar ideias de comunidade e cooperação internacionais. O ex-líder do estado de Brandemburgo ecoou esses sentimentos e instou os países europeus a tomarem medidas para criar uma política de segurança independente de Washington.

    "Durante a Conferência de Segurança de Munique, pudemos ouvir todos os cenários possíveis: brigadas militares conjuntas, um exército europeu conjunto, um guarda-chuva nuclear francês sobre a Europa, incluindo a OTAN ou sem ela. Mas nada está claro ainda. A Europa tem que tomar algumas decisões difíceis. Agora é a hora de fazer algumas perguntas fundamentais e encontrar essas soluções fundamentais", observou Platzeck.

    Soldados durante exercícios da OTAN
    © AP Photo / Alik Keplicz
    Soldados durante exercícios da OTAN

    Animosidades crescentes

    As tensões entre os EUA e os Estados membros da OTAN aumentaram depois que Trump em dezembro criticou os países que não estavam atingindo as metas de gastos em defesa. As relações com a Turquia também se deterioraram depois que Ancara começou a aceitar entregas do sistema de defesa antimísseis S-400, fabricado na Rússia. Em resposta, Washington expulsou Ancara do programa de caças F-35.

    Platzeck afirmou que, neste contexto, os países europeus precisam formular uma nova estratégia para enfrentar os atuais desafios regionais e globais de segurança. Ele traçou paralelos com o processo de Helsinque, um conjunto de negociações de três anos entre aliados dos EUA e da União Soviética na década de 1970, que resultou nos Acordos de Helsinque.

    "Há muitas questões a serem resolvidas: a autoconfiança da Europa com ou sem a OTAN, em torno da OTAN, com a Rússia em uma arquitetura de segurança europeia comum; As relações da Europa com a Ucrânia, Geórgia, outros países, norte da África e questões do Oriente Médio - basicamente precisamos de um novo processo de Helsinque", disse o ex-líder de Brandemburgo.

    Com um número tão grande de questões a resolver, Platzeck instou os países europeus a aumentar sua cooperação e a trabalhar na construção de uma estratégia de longo prazo que envolva todo o continente.

    "Agora estamos tratando questões individuais. Um é o formato da Normandia no leste da Ucrânia. Itália e França discutem sobre a crise na Líbia. Em Berlim, o [ministro das Relações Exteriores da Alemanha] Heiko Maas organizou uma conferência [sobre a Líbia] - e sou grato por ele ter feito isso -, mas não podemos dizer que foi um sucesso. O Reino Unido deixou a UE, então há uma questão de como trabalhar com eles [...] Estamos fazendo alguns reparos improvisados, lidando com questões separadamente, mas não temos uma abordagem geral para todo o continente, uma estratégia sustentável e de longo prazo para todo o nosso continente", disse Platzeck.

    Em novembro, o presidente francês Emmanuel Macron disse à revista The Economist que quase não havia cooperação de segurança entre os EUA e outros membros da OTAN, essencialmente deixando a aliança em um estado de "morte cerebral". Em resposta, Trump disse que os comentários do líder francês eram desrespeitosos e ofensivos e que os EUA se beneficiam menos da aliança, citando as grandes contribuições financeiras de Washington.

    Mais:

    OTAN concorda em expandir missão no Iraque sem permissão de Bagdá
    Como OTAN luta contra doutrinas russas 'inexistentes'?
    'Mascarar a debilidade da OTAN': EUA e Canadá iniciam exercícios militares voltados para o Ártico
    Tags:
    Emmanuel Macron, Turquia, Rússia, Barack Obama, diplomacia, aliança, defesa, segurança, Jens Stoltenberg, Donald Trump, OTAN, Helsinque, Alemanha, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar